Crianças e jovens autistas podem falar normalmente, mas há casos de pessoas que não falam, ou seja, apresentam autismo não verbal.

Vale destacar que o autismo não verbal não significa que a pessoa seja incapaz de falar; mas que não consegue manter uma comunicação por meio da fala.

Falar e se comunicar é muito importante para que o autista consiga aprender e interagir com outras pessoas. Por isso, os pais e responsáveis devem ficar de olho nos marcos de desenvolvimento da fala e ver se a criança está progredindo.

Por exemplo, a criança que está com cerca de 18 meses, já pronuncia cerca de 20 palavras, aos 24 meses cerca de 200 palavras. E aos quatro ou cinco anos, espera-se que a fala já tenha se desenvolvido por completo. Se ocorrer qualquer atraso de linguagem, é importante buscar ajuda especializada para a criança.

Quanto mais cedo a criança receber suporte especializado, melhor será para o seu desenvolvimento e ampliação de habilidades.

Estratégias para desenvolvimento da fala

É importante lembrar que cada pessoa com autismo é única. Por isso, algumas estratégias funcionam bem com uma criança ou adolescente, mas podem não ser eficientes para outras.

Apesar do fato de que todas as pessoas com autismo podem aprender a se comunicar, nem sempre isso ocorre por meio da linguagem falada.  Autistas não verbais também podem se comunicar de outras formas.

A seguir, veja algumas dicas para estimular a fala em autistas.

Estimular brincadeiras e jogos

As crianças aprendem brincando e com a linguagem e fala não é diferente. Vale a pena investir em brincadeiras interativas para que seu filho ou filha consiga se comunicar.

Sempre que possível brinque com a criança, cante, bata palmas e faça com que ela se sinta confortável para interagir, falar ou balbuciar. Aproveite esse momento para fazer perguntas e contar histórias.

Imitação

Outra estratégia eficaz é estimular a imitação, ou seja, ensinar a criança a repetir ações e palavras.

De uma forma lúdica, chame a sua atenção com brinquedos e não force situações.

Estimule gestos e contato visual

A comunicação não ocorre apenas por meio da fala. A criança não verbal se comunica com o contato visual e gestos corporais. Os pais e responsáveis podem estimular esses comportamentos.

Podem acenar a cabeça quando deseja falar sim ou não, bater palmas, abrir as mãos, entre outras atitudes. Estimule para que ele aponte para objetos.

Deixar se expressar

A criança precisa se sentir livre para falar, se expressar sem medo de errar. Não corrija os erros de forma brusca e dê oportunidades para ele se comunicar.

Dê espaço para que a criança responda por si, mesmo que demore. Nunca complete suas frases. E se ele não responder ou não falar naquele momento, diga que está tudo bem.

Use uma linguagem simples

Nada de usar palavras rebuscadas! A criança precisa entender as palavras e para isso o vocabulário precisa ser mais simples. Use sentenças mais curtas que possam ser compreendidas sem esforço.

Se seu filho ou filha não for verbal, tente falar principalmente em palavras isoladas e de forma pausada.

Uso da tecnologia

Os autistas podem gostar bastante de vídeos e tecnologia. Há diversos softwares e suportes visuais que podem estimular a fala e seu desenvolvimento.

Há diversos dispositivos e aplicativos com imagens que podem produzir palavras, ajudar a pedir ou mostrar o que estão pensando.

Atividades do dia a dia

Use as tarefas simples do dia a dia como uma nova oportunidade para ensinar a criança a se comunicar.

Quando é necessário buscar a terapia de fala?

O objetivo da terapia de fala é ajudar a pessoa a se comunicar de uma maneira mais funcional.

Geralmente, começa com uma avaliação realizada por um fonoaudiólogo que determina os desafios de comunicação da pessoa. Em seguida, determina as metas para a terapia.

Pode ser interessante buscar ajuda de um especialista para que a criança consiga falar de forma mais clara. Também ajuda a compreender a linguagem corporal, modular a voz e a responder perguntas.

Referências:

https://www.asha.org/public/speech/disorders/autism/

https://www.autismspeaks.org/speech-therapy-autism

https://www.verywellhealth.com/pragmatic-speech-delays-in-autism-260049

Neurocientista que estuda o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) há quase 10 anos, Fabiele Russo é Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD) e Pós-doutorado pela USP. Possui ampla experiência na área do autismo.