Importância do diagnóstico e intervenção precoce no desenvolvimento dos autistas

Patrocinado

Realizar o diagnóstico precoce do autismo, ou TEA (Transtorno do Espectro do Autismo) pode contribuir para melhorar as habilidades sociais e de comunicação da criança. Quanto mais cedo for descoberto, mais rápidas as intervenções podem ser realizadas pelos especialistas, ajudando assim, no desenvolvimento da criança.

Normalmente o autismo costuma ser identificado até pelos próprios pais que percebem alguns sinais, e isso pode ocorrer a partir dos 8 meses. É importante ressaltar que o autismo possui 3 níveis, portanto os sinais podem ser bastante diferentes para cada criança.

Os especialistas costumam identificar o autismo quando a criança tem entre 1 ano e meio e 3 anos.

Realizar o diagnóstico precoce – o quanto antes – pode contribuir de forma considerável para o desenvolvimento geral da criança, contribuindo para que ela consiga aprender novas habilidades, o que pode permitir para que ela tenha um grau de independência maior ao longo de sua vida.

Entenda por qual razão realizar o diagnóstico e intervenção precoce são extremamente importantes para a qualidade de vida de quem tem autismo

O diagnóstico precoce é considerado fundamental para quem tem TEA. Justamente porque o nosso cérebro possui a capacidade de se reestruturar de acordo com os estímulos que recebe do ambiente externo. Essa habilidade cerebral tem o nome de “neuroplasticidade”.

Patrocinado

O treinamento possibilita um progresso intensivo neural, isso significa que o desempenho dos neurônios responsáveis por atuar e desenvolver atividades como linguagem, motoras e sociais são estimulados e, portanto, “moldados” de acordo com esses estímulos.

Vale lembrar aqui, que a neuroplasticidade é muito mais intensa na infância, e acontece com mais dinamismo no período que a pessoa está passando tanto pelo desenvolvimento pessoal, quanto no momento que está adquirindo hábitos e conhecimentos sociais, e por conta disso a importância de realizar a intervenção nos primeiros anos de vida.

A neuroplasticidade cerebral, nada mais é, do que a capacidade do cérebro modificar algumas das suas propriedades morfológicas e funcionais em resposta às alterações do ambiente.

Portanto, quanto mais cedo são introduzidas novas práticas e rotinas terapêuticas capazes de estimular o funcionamento do cérebro, mais os neurônios podem ser treinados a superar as limitações decorrentes do Transtorno.

Como identificar os sinais de autismo

Primeiramente, vamos alertar que não há qualquer exame que mostre que uma criança tem autismo. O diagnóstico é clínico. Por isso, é muito importante ficar atento aos sinais.

Alguns sinais que merecem atenção: 

Um dos sinais que podem acionar um “alerta” para a família, é no momento da amamentação, neste momento é extremamente comum a troca de olhares entre mãe e filho, é a partir do ato da troca de olhares que inicia o elo entre a mamãe e seu filho. O que vemos em crianças autistas é a não-interação visual, inclusive durante a amamentação.

Outro sinal, é nos primeiros 6 meses, se acriança tem poucas expressões faciais, ou então, pouco contato visual de forma geral e pouco engajamento sociocomunicativo.

Se até os 8-9 meses não há troca comunicativa, ou seja, não balbucia nenhuma palavra, não imita nenhum gesto. A imitação envolve a capacidade de uma criança de copiar as ações de adultos e colegas. Com isso, elas aprendem a realizar ações com objetos, a fazer gestos e movimentos corporais como bater palmas ou acenar, como também, a se comunicar.

Crianças que estão no espectro costumam ter grande dificuldade em imitar. Isso pode comprometer o seu desenvolvimento.

Aos 12 meses (1 ano de idade) surgem mais sinais para conseguir se atentar com mais clareza, como por exemplo, não fala mamãe e/ou papai, não realiza nenhum gesto, e mantém a ausência de balbucios.

Assim que esses qualquer um dos sinais for identificado é importante realizar a intervenção necessária, sempre levando em consideração as necessidades individuais de cada criança.

Fique de olho!

É importante ficar atento aos sinais, afinal, quanto mais rápido agir, maior a possibilidade de melhorar habilidades da criança autista. Possibilitar que ela consiga desenvolver suas habilidades, cognitivas, sociais, entre outras.

Quando algum sinal aparecer, inicie a intervenção mesmo durante a investigação clínica, é muito melhor fazer a intervenção sem precisar – pois só trazem benefícios – do que negligenciar a necessidade da criança e prejudicar o seu desenvolvimento.

Referências:

https://www.posead.saocamilo.br/neuroplasticidade-o-que-e-e-qual-a-sua-importancia-para-a-neuroeducacao/noticia/112

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.