Qual a importância do diagnóstico precoce do autismo?

Patrocinado

O diagnóstico precoce do autismo ajuda a melhorar as habilidades sociais e de comunicação da criança. Isso porque o autista começa a realizar as intervenções de forma precoce e é estimulado a se desenvolver.

O transtorno do espectro do autismo costuma ser identificado pelos especialistas quando a criança tem entre 1 ano e meio e 3 anos. Porém, especialistas destacam que os próprios pais são capazes de detectar os primeiros sinais do autismo a partir dos 8 meses (dependendo do grau do TEA).

A intervenção precoce em autistas melhora o desenvolvimento geral da pessoa, ajudando-a a aprender novas habilidades, que lhes permitirão ser mais independentes ao longo da vida.

Sendo assim, adquirem habilidades sociais essenciais e a capacidade de agir melhor em situações sociais.

Além disso, o diagnóstico precoce também pode beneficiar os pais. Em vez de perceber os sintomas e se preocupar que algo está errado com seu filho, um diagnóstico precoce permite que os pais tomem medidas para ajudar no desenvolvimento da criança.

Patrocinado

Por que a intervenção precoce é eficaz para melhorar habilidades dos autistas?

O nosso cérebro possui a capacidade de se reorganizar, de modificar sua estrutura em resposta aos estímulos que recebe do meio ambiente externo. Chamamos essa habilidade de neuroplasticidade.

Esse treinamento possibilita a evolução do potencial neuronal, ou seja, o desempenho dos neurônios responsáveis por atuar em atividades como linguagem, motoras e sociais.

A neuroplasticidade ocorre durante toda a vida, sendo mais intensa nos primeiros anos de vida do indivíduo. Por isso a importância da intervenção precoce.

Para quem está no espectro a neuroplasticidade significa a possibilidade de desenvolver e aperfeiçoar as suas habilidades por meio das experiências vividas.

Por isso, a estimulação dos neurônios por meio da intervenção precoce contribui com a melhora nos processos de reabilitação e otimização de resultados funcionais do cérebro de quem está no espectro.

Patrocinado

Sendo assim, o diagnóstico precoce é considerado fundamental para quem está no TEA. Quanto mais cedo são introduzidas novas práticas e rotinas terapêuticas capazes de estimular o funcionamento do cérebro, mais os neurônios podem ser treinados a superar as limitações decorrentes do Transtorno.

Como é feito o diagnóstico de autismo?

Vale destacar aqui novamente que não existe um exame laboratorial que indique que a criança tem autismo.

Portanto, o diagnóstico do TEA ainda pode ser considerado essencialmente clínico, baseado em evidências científicas, em conformidade com os critérios estabelecidos por DSM–V (Manual de Diagnóstico e Estatístico da Sociedade Norte-Americana de Psiquiatria) e pelo CID-11 (Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde – OMS).

A avaliação consiste em uma entrevista com os pais e/ou cuidadores e avaliação observacional de comportamentos.

Por isso, a avaliação deve ser conduzida idealmente por uma equipe multidisciplinar de médicos, incluindo um pediatra, neuropediatra ou psiquiatra infantil, psicólogo, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, entre outros especialistas.

Mas, somente o médico poderá emitir o laudo diagnóstico para fins legais.

Em alguns casos, são solicitados testes genéticos, bem como rastreio para problemas médicos relacionados, tais como síndromes genéticas.

Os resultados podem auxiliar os pais a entender o máximo possível sobre os pontos fortes e as necessidades de seus filhos.

Além disso, os especialistas conseguem direcionar o melhor tratamento para o desenvolvimento do autista.

Fique de olho nos sinais de autismo!

Como o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é  um transtorno do neurodesenvolvimento complexo, ele pode impactar na capacidade de comunicação, interação social, comportamental e motora, interferindo no processo evolutivo da criança.

Sendo assim, as crianças com TEA podem apresentar algum comprometimento ou atrasos nesses marcos de desenvolvimento.

Os pais devem acompanhar atentamente esse desenvolvimento e procurar ajuda especializada, caso perceba que há algum atraso no desenvolvimento da criança.

Assim, alguns sinais que merecem atenção são:

  • Não fazem ou evitam o contato visual;
  • Não reagem quando são chamados pelo nome;
  • Não imitam o comportamento;
  • Não interagem ou buscam atenção;
  • Não compartilham atenção;
  • Realizam comportamentos repetitivos;
  • Apresentam fixação em objetos incomuns;
  • Apresentam resistência a mudanças
  • Podem apresentar atraso de fala

Referências: 

American Psychiatric Association. (2014). DSM-V: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais.

https://blog.autismtreatmentcenter.org/2017/01/neuroplasticity-can-your-childs-brain-change.html

https://www.cdc.gov/ncbddd/autism/index.html

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.