Saiba mais sobre o ADI-R

Patrocinado

O ADI-R é a sigla para Autism Diagnostic Interview-Revised ou Entrevista Diagnóstica para o Autismo Revisada, em português. Trata-se de uma entrevista diagnóstica estruturada que foi desenvolvida para ajudar a identificar o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

Durante a entrevista com os pais ou cuidadores são coletadas informações detalhadas sobre o comportamento e desenvolvimento da criança.

Por isso, o ADI-R é muito útil para diagnosticar o TEA, planejar medidas terapêuticas e distinguir o autismo de outros transtornos do desenvolvimento.

Dessa forma, tem o objetivo de fornecer uma avaliação ao longo da vida de uma série de comportamentos relevantes para o diagnóstico em pessoas a partir dos 5 anos até o início da idade adulta e com idade mental a partir dos 2 anos de idade.

Foi criada em 1989 como uma ferramenta para pesquisar sobre o crescimento dos  diagnósticos de autismo e passou a ser usada para facilitar a detecção desse Transtorno.

Como funciona?

O ADI-R normalmente leva de uma a duas horas e se concentra no comportamento atual da criança ou comportamento em um determinado ponto nas áreas de interação social recíproca, comunicação e linguagem e padrões de comportamento.

A ADI-R possui cinco seções:

  • Perguntas introdutórias;
  • Questões sobre comunicação (inicial e atual);
  • Desenvolvimento social e como costumam brincar;
  • Investigação sobre comportamentos repetitivos e restritos;
  • Questões relativas a problemas de comportamento em geral.

Devido à longa entrevista, o ADI-R é usado principalmente em ambientes clínicos ou de pesquisa.

Habilidades avaliadas

E esse tipo de entrevista é focada nas seguintes habilidades.

  • Comunicação e Linguagem: avalia-se a fala e as habilidades atuais para manter a conversa;
  • Interação social: avalia-se como a criança interage com as pessoas e como mostram ou interpretam respostas emocionais;
  • Comportamentos repetitivos e obsessivos: avalia-se a presença de comportamentos estereotipados de TEA, como fixação em objetos incomuns, movimentos repetitivos das mãos ou uso repetido de frases curtas e fora do contexto. Além disso, pode ser avaliado se há hiperatividade e agressividade.

Os pais são questionados sobre como e quando perceberam que algo poderia estar errado com a criança e sobre os principais marcos do desenvolvimento. Então, a entrevista investiga o comportamento da criança durante os primeiros cinco anos de vida.

Ferramenta de avaliação

Vale destacar que o ADI-R não envolve diretamente a criança, geralmente é uma entrevista conduzida por um pesquisador ou psicólogo juntamente com os pais ou cuidadores.

Portanto, o ADI-R concentra-se na história do desenvolvimento da criança, contando com a memória das pessoas mais próximas a ela, no caso pais, mães e cuidadores. Sendo assim, avalia-se o histórico médico, comportamentos gerais, passados ​​e atuais, datas do marco do desenvolvimento, o desenvolvimento da fala e da linguagem e comportamentos destrutivos ou agressivos.

As perguntas são pontuadas em uma escala de zero a três, sendo três o resultado mais anormal. Cada pergunta também pode ser codificada de acordo com a idade da criança no momento em que foi notada pela primeira vez, ou se o comportamento é algo que os pais ainda estão vendo regularmente.

O examinador faz perguntas gerais e específicas. Por exemplo, os pais são questionados sobre as habilidades de comunicação de seus filhos. E eles falam se a criança aponta para objetos, se acena com a cabeça, por exemplo. Os pais também revelam detalhes de como é a comunicação verbal e não verbal e as habilidades sociais.

Vale destacar que  o ADI-R não deve ser a única ferramenta de avaliação usada para fechar um diagnóstico do espectro do autismo. Assim, as avaliações devem ser realizadas por uma equipe de profissionais especializados em autismo, para assim, o médico fechar o diagnóstico.

Portanto, especialistas como médicos, psicólogos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais podem realizar diversas avaliações que procuram tipos específicos de desafios e comportamentos que indicariam o autismo.

Leia também:

Importância do diagnóstico precoce do autismo

ADOS – Protocolo de observação para diagnóstico do autismo

Referências:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4471312/https://www.verywellhealth.com/adi-r-test-use-in-autism-diagnosis-260241

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Fabiele Russo é Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP).