Intervenções lúdicas: a importância do brincar para o desenvolvimento dos autistas

Patrocinado

As intervenções têm como objetivo trabalhar os comportamentos, a socialização, a comunicação, a aprendizagem, os aspectos motores, sensoriais, entre outros, e com isso oferecer mais qualidade de vida às pessoas com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) (O que é o autismo – TEA?)

Elas ajudam a criança ou jovem com autismo a adquirir habilidades e a poder se relacionar com outras pessoas na sociedade, ter mais independência e autonomia.

Cada pessoa com autismo tem necessidades diferentes, portanto, é importante encontrar as melhores opções de tratamento/intervenção de forma individual, claro que sempre buscando por profissionais capacitados e intervenções baseadas em evidências científicas.

As intervenções lúdicas, no entanto, ajudam a criança com autismo a se desenvolver de uma forma mais divertida, engajada, com atividades recreativas e brincadeiras.

Intervenções lúdicas

Os pais e terapeutas devem usar atividades lúdicas para reforçar os comportamentos positivos. Por meio de brincadeiras, as crianças são encorajadas a melhorar suas habilidades linguísticas, sociais e cognitivas.

Patrocinado

Afinal, isso vai fazer a criança perceber que se relacionar é importante, e com isso melhoram as habilidades sociais.

Entre eles, podemos citar o modelo DIR®/Floortime™.  A sigla vem do inglês Developmental, Individual Difference, Relationship-Based Model e significa “Desenvolvimento funcional emocional, diferenças individuais e de relacionamento”.

Visa o desenvolvimento das crianças com alguma alteração no desenvolvimento da sociabilidade, como é o caso do autismo, respeitando as diferenças individuais e as suas relações interpessoais.

Assim, o objetivo é ajudar essas crianças a utilizar suas capacidades levando em conta a etapa do desenvolvimento em que se encontram. Os pais ou terapeutas se sentam no chão com a criança para brincar e interagir em seu nível. Dessa forma, os adultos ajudam as crianças a expandir seus “círculos de comunicação”.

É uma forma de sistematizar a brincadeira com a criança e proporcionar sua progressão sobre as etapas do desenvolvimento.

São realizadas estratégias desenvolvidas pelos terapeutas com o foco no desenvolvimento emocional e estímulo das capacidades sociais, emocionais e intelectuais.

Saiba mais: Como estimular a aprendizagem por meio de brincadeiras

Grupos integrados

Além disso, existem os grupos integrados (ou modelo Integrated Play Groups, em inglês). Trata-se de uma prática baseada em evidência criada no final da década de 1980 para contribuir com o desenvolvimento das crianças com autismo por meio de brincadeiras e atividades lúdicas.

Portanto, o intuito é ensinar crianças com autismo as habilidades que precisam para interagir com seus colegas e se envolver em brincadeiras simbólicas. Pode envolver teatro, dança, ioga, artes visuais, artes multimídias.

Os adultos ajudam crianças com autismo e seus colegas com desenvolvimento típico a se envolverem em atividades lúdicas de interesse mútuo.

Cada grupo é guiado por um especialista a brincar com um tema específico. Depois, elas podem ter um tempo livre para brincar e interagir da forma que quiserem.

As atividades trazem maior consciência e empatia, juntamente com uma maior capacidade de interagir com crianças que se comunicam de maneira diferente de si mesmas.

A importância do brincar para o autista

Primeiramente, vale destacar que a criança tem o direito de brincar e usar as atividades lúdicas como um instrumento que potencializa o processo de aprendizagem.

Ao brincar, a aprendizagem acontece de forma mais rápida, uma vez que a criança se sente motivada a realizar a atividade. Além de desenvolver o físico, o emocional (afetivo), o mental e o social.

A criança autista deve ser estimulada a aprender de uma forma natural e efetiva – e as intervenções lúdicas contribuem para isso, além de ajudá-las a interagir socialmente, a melhorar a linguagem e diminuir os comportamentos restritivos e repetitivos.

Participação dos pais

Para que essas intervenções tenham um resultado positivo é preciso ter o envolvimento da criança, de seus familiares, cuidadores e especialistas que a acompanham. Todo mundo deve estar envolvido e participar deste processo.

A intervenção precoce, principalmente quando realizada de forma lúdica, possibilita que a criança tenha mais perspectivas de conseguir superar as limitações características do espectro e se desenvolver melhor.

Lembrando que é importante sempre buscar ajuda especializada, fazer um acompanhamento médico e contar com profissionais especialistas na área. Essa é a melhor forma de ajudar no desenvolvimento e independência da criança ou jovem com autismo.

Leia também: Por que escolher intervenções baseadas na ABA?

Referências:

https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/Clinical_Report-The_Importance_of_Play_in_Promoting_Healthy_Child.pdf

https://www.iidc.indiana.edu/irca/articles/play-time-an-examination-of-play-intervention-strategies-for-children-with-autism-spectrum-disorders.html

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.