Comorbidades mais comuns no autismo

Comorbidades mais comuns no autismo

Hoje vamos falar sobre as comorbidades mais comuns em pessoas com autismo.

Mas, você sabe o que é comorbidade? A palavra pode causar estranheza, porém, nada mais é do que condições de saúde que se associam a outras condições e por isso estão frequentemente juntas clinicamente. Ou seja, pessoas com autismo podem apresentar outras condições associadas. Mas associadas não significa que elas fazem parte do diagnóstico de autismo.  A pessoa além de ter autismo ela também apresenta outras características ou outros diagnósticos.

É muito importante identificar essas condições para que a pessoa com autismo tenha o tratamento adequado e assim tenha uma melhor qualidade de vida. Pois muitas vezes essas comorbidades trazem muito mais prejuízos do que o autismo em sim e atrapalham o desenvolvimento e evolução da pessoa.

Essas condições podem aparecer em qualquer momento durante o desenvolvimento da pessoa com o TEA. Alguns podem surgir apenas mais tarde na adolescência ou na fase adulta.

Vamos destacar algumas comorbidades para vocês. 

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade – TDAH

O TDAH é umas das principais comorbidades associadas ao TEA.  Muitas crianças têm dificuldade em pensar antes de agir, ficar sentadas e concentradas. Mas em crianças com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade esses comportamentos podem ser extremos e causar um grande impacto em sua vida diária. Os sintomas incluem desatenção, hiperatividade e impulsividade. 

O diagnóstico do TDAH é difícil, pois muitas vezes ele é confundido com os problemas na educação, ansiedade ou dislexia. O TDAH é o transtorno mais comum em crianças e adolescentes, surge na infância, mas pode acompanhar a pessoa até a fase adulta. 

Deficiência intelectual

Pessoas com TEA em muitos casos (cerca de 40-70%) apresentam deficiência intelectual, ou seja, funcionamento intelectual abaixo da média. Por isso, podem apresentar dificuldades para raciocinar, resolver problemas, planejar e aprender. E também sentem dificuldade para comunicar, cuidar de si mesma e interagir com as pessoas. Uma pesquisa feita pelo Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos revelou que cerca  38% das pessoas com autismo têm deficiência intelectual. 

Epilepsias

As epilepsias são condições cerebrais que podem causar convulsões repetidas. São mais comuns em crianças menores de cinco anos e em adolescentes. O tratamento geralmenteenvolve medicação. Estima-se que quase um terço das pessoas com TEA pode apresentar epilepsia. Um ponto em comum entre as condições é que ambas compreendem um transtorno que tem conexão com o cérebro. 

As alterações cerebrais do desenvolvimento associadas ao autismo também contribuem para convulsões.  Entre os sintomas destacam-se: mudança no olhar, estiramento dos músculos, movimentos involuntários de membros do corpo, distúrbio do sono, irritabilidade, agressividade sem explicação e regressão do desenvolvimento alcançado.

Distúrbios do sono

Dificuldades do sono são comuns entre crianças com Transtorno do Espectro do Autismo. Cerca de dois terços das crianças com TEA podem ter um problema de sono em algum momento da vida. Elas normalmente acordam frequentemente durante a noite, não conseguem dormir ou tem poucas horas do sono. Esses distúrbios do sono podem estar ligados à ansiedade e a hipersensibilidade sensorial dos autistas.

TOC

Os autistas também podem ter o Transtorno Obsessivo Compulsivo, conhecido pela sigla TOC e que também é um tipo de Transtorno de Ansiedade. Nesses casos, apresentam pensamentos obsessivos e se comportam de maneiras repetitivas e compulsivas para lidar com esses pensamentos. Por exemplo, podem lavar as mãos repetidamente ou organizar objetos várias vezes para tentar controlar pensamentos ruins.  O TOC pode ser tratado com terapia e medicamentos.

Bipolaridade

O Transtorno Bipolar causa alterações de humor que vão de depressão a episódios de obsessão. Há pessoas com o TEA que também apresentam bipolaridade. Alguns estudos descobriram que até 27% das pessoas com autismo também apresentam sintomas de Transtorno Bipolar.  Sabe-se que o Transtorno Bipolar pode estar ligado à genética. 

Os sintomas do transtorno bipolar se enquadram em duas categorias: maníacos e depressivos. Os sinais de um episódio maníaco incluem felicidade extrema e otimismo, aumento de energia e agitação, autoestima inflada, distúrbios do sono e distração excessiva. Já os sintomas de um episódio depressivo mostram quadros de depressão, perda de interesse em atividades normais, mudanças no apetite, perda ou ganho de peso, cansaço e perda de energia, sono intenso e falta de concentração. O tratamento é realizado com medicação e intervenções comportamentais.

Transtorno de Ansiedade

Estima-se que cerca de 40 a 60% das crianças com TEA também têm ansiedade. Isso ocorre porque os autistas frequentemente têm dificuldades sociais que podem fazer com se sintam mais estressadas e ansiosas. Sendo assim, apresentam sintomas como tensão, hiperatividade, preocupação em excesso, hiperatividade, dificuldade para dormir e medo. Nesses casos, a pessoa pode precisar de medicação e terapia para lidar com a ansiedade e para não comprometer a sua qualidade de vida. 

Depressão

A depressão pode ser comum em pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo, principalmente naquelas que têm um autismo leve e sentem dificuldades de interações sociais. Os sintomas da depressão incluem humor alterado, tristeza profunda, falta de sono e apetite, irritabilidade e perda de motivação. O tratamento pode combinar medicação com terapia. 

Essas são algumas das comorbidades mais comuns que podem estar associada com o autismo, mas há outras como transtornos gastroinstestinais, apraxia da fala, problemas de coordenação motora, hipotonia, algumas síndromes genéticas como por exemplo a sindorme do X frágil, sindorme de Rett e síndrome de down.

Posts Relacionados