TDAH: Sinais, sintomas e tratamento

Patrocinado

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma das mais comuns desordens neurológicas diagnosticada na infância.

É caracterizado por dificuldades persistentes de atenção, hiperatividade e impulsividade.  É um transtorno neurobiológico de causas genéticas que se inicia antes dos 12 anos, e em muitos casos antes dos 7 anos.

Portanto, as pessoas com TDAH podem ter problemas para se concentrar, controlar impulsos e podem ser excessivamente ativas. Embora o transtorno seja frequentemente diagnosticado na infância, pode persistir até a vida adulta, influenciando vários aspectos da vida diária.

Aliás, assim como o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) o TDAH afeta mais meninos do que meninas.

Sintomas do TDAH

Os sintomas do TDAH podem variar de pessoa para pessoa e se manifestam de maneira diferente em crianças e adultos.

Patrocinado

Portanto, alguns dos sinais mais comuns incluem dificuldade em manter o foco em tarefas, inquietação, dificuldade em seguir instruções, impulsividade, dificuldade em completar tarefas, problemas de organização e tendência a agir sem pensar nas consequências.

Causas e Fatores de Risco

Embora a causa exata do TDAH ainda não seja clara, pesquisas sugerem uma combinação de fatores genéticos, ambientais e neurobiológicos.

Portanto, fatores de risco incluem histórico familiar de TDAH, exposição a toxinas ambientais durante a gravidez, nascimento prematuro e baixo peso ao nascer.

Sobre o diagnóstico

O diagnóstico do TDAH é difícil, pois muitas vezes é confundido com problemas na educação, ansiedade ou dislexia por exemplo. Esse transtorno é normalmente diagnosticado pelo médico pediatra, psiquiatra ou neurologista.

Ademais, o diagnóstico do TDAH dever ser feito com base em critérios específicos descritos do DSM-5.

Patrocinado

Assim, o diagnóstico deve ser realizado pelo médico pediatra, psiquiatra ou neurologista, juntamente com o apoio da equipe multidisciplinar.

É importante realizar uma avaliação abrangente que considere a história clínica, os sintomas relatados e a observação do comportamento.

Prevalência

A prevalência de TDAH entre as crianças na população dos EUA aumentou de 2,9% em 1996 para 5,2% em 2009.

O TDAH é um transtorno mais comum em crianças e adolescente, surge na infância, mas pode acompanhar o indivíduo até a fase adulta.

Estudos mostram que cerca de 60% das crianças carregam o TDAH para a vida adulta, por isso a importância do diagnóstico e tratamento precoce.

Esse transtorno afeta negativamente a auto-estima das pessoas afetadas. Crianças e adultos com TDAH são mais vulneráveis a baixa auto-estima do que outras pessoas.

Tratamento

O tratamento da pessoa com TDAH deve ser iniciado o quanto antes e é realizado por uma equipe multidisciplinar composta por profissionais como neuropediatra, neurologista, psicólogos, psicomotricistas, fonoaudiólogos entre outros.

Ademais, a intervenção medicamentosa é indicada em alguns casos e deve ser sempre acompanhada por um médico responsável.

Inegavelmente, o TDAH é umas das principais comorbidades associadas ao Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e quanto antes iniciar o tratamento melhores serão os resultados.

Leia também: Comorbidades comuns no autismo

Referências:

Gupte-Singh KSingh RRLawson KA. Economic Burden of Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder among Pediatric Patients in the United States. Value Health. 2017 Apr;20(4):602-609. doi: 10.1016/j.jval.2017.01.007.

Faraone SV, Biederman J, Mick E. The age-dependent decline of attention deficit hyperactivity disorder: a meta-analysis of follow-up studies. Psychol Med. 2006 Feb 1;36(02):159–65.

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.