www.neuroconecta.com.br

Transtorno bipolar na infância e autismo

Pacientes com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) podem apresentar transtornos psiquiátricos associados.  Há casos de crianças que manifestam até mais de um deles. Entre eles, destaca-se o Transtorno Bipolar, conhecido como bipolaridade.

O Transtorno Bipolar ou Transtorno Afetivo Bipolar é uma condição que causaalterações de humor que vão da depressão a episódios de obsessão (maníacos). Esses ciclos podem permanecer por dias, semanas ou até meses. Há pessoas com TEA que também apresentam bipolaridade. Além disso, é bastante frequente que as crianças com autismo sejam diagnosticadas com bipolaridade. Por isso, é importante reconhecer os sinais e os sintomas de cada um.

Como acontece com outros transtornos psiquiátricos, estudos sugerem que o Transtorno Bipolar pode ser relativamente comum entre crianças e adultos com autismo. Alguns estudos descobriram que até 27% das pessoas com autismo também apresentam sintomas de Transtorno Bipolar. Por outro lado, sua prevalência na população geral é de cerca de 4%.

Sabe-se que o Transtorno Bipolar pode estar ligado à genética. Pesquisadores identificaram alguns dos genes que podem estar relacionados ao transtorno bipolar e vários deles também podem estar ligados ao autismo. Entretanto, ainda precisam ser realizados estudos para entender a relação entre o autismo e o transtorno bipolar.

Os sintomas do transtorno bipolar se enquadram em duas categorias: maníacos e depressivos. Os sinais de um episódio maníaco incluem: felicidade extrema e otimismo, aumento de energia e agitação, autoestima inflada, distúrbios do sono e distração excessiva. Já os sintomas de um episódio depressivo mostram quadros de depressão, perda de interesse em atividades normais, mudanças no apetite, perda ou ganho de peso, cansaço e perda de energia, sono intenso e falta de concentração.

Como reconhecer uma criança com autismo e transtorno bipolar?

Os sintomas incluem fala rápida e praticamente ininterrupta, irritabilidade, euforia, depressão, estimulação constante, diminuição abrupta do sono e aumento da impulsividade. Veja detalhes:

Autoestima bastante inflada

Quando uma criança não pode falar ou tem um distúrbio de comunicação, pode ser difícil identificar esse sintoma. Mas, a criança pode parecer excessivamente feliz ou rir inadequadamente ou até mesmo de forma histérica. Ela pode mostrar irritabilidade em vez de bom humor e o comportamento pode se tornar mais agressivo. As “birras” podem aumentar.

Alterações no sono

Muitas crianças com autismo podem ter problemas para dormir. Mas, os pais devem se atentar se ele está dormindo de forma excessiva e não quer mais sair da cama.

Falar mais do que o habitual

Muitas crianças e adultos com autismo e transtorno bipolar apresentam um aumento na fala e vocalizações.

Distração

A atenção é facilmente atraída para estímulos externos que não são importantes. Quem tem autismo e bipolaridade fica mais distraído do que o habitual.

Rituais

Pode repetir as atividades com frequência, sem parar e com mais intensidade do que costumava fazer.

Excessos

A criança pode dormir excessivamente, se autoestimular em excesso, comer compulsivamente, ir ao banheiro com mais frequência ou se envolver em qualquer outro comportamento prazeroso com mais frequência e intensidade.

 O que fazer nesses casos

É importante que os pais conversem com o médico para realizar uma avaliação logo que desconfiarem de uma comorbidade (duas condições ao mesmo tempo). Geralmente, um psiquiatra fará o diagnóstico por meio de análise dos sintomas apresentados na criança, olhando atentamente quando se iniciaram e quanto tempo durou.

O tratamento geralmente envolve medicação, mas existem intervenções comportamentais e alternativas que também são eficazes e devem ser discutidas pelos pais e especialistas.

Referências:
– https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2590592/
– https://www.healthline.com/health/bipolar-and-autism

Posts Relacionados