Por que realizar intervenções baseadas na ABA em meu filho?

Patrocinado

Com as intervenções baseadas na ABA (Análise de Comportamento Aplicada), o autista melhora as interações sociais, aprende novas competências e mantém  comportamentos positivos. O que é o autismo (TEA)?

Basicamente, a ABA possibilita compreender as ações e habilidades das pessoas autistas e como elas podem ser influenciadas pelo meio ambiente. As intervenções ABA são cientificamente comprovadas e a ciência ABA existe há mais de 50 anos.

Logo que os pais recebem o diagnóstico do autismo é comum que fiquem em dúvida sobre as intervenções precoces e o que realmente é eficaz para seus filhos.

Geralmente, são usadas várias técnicas ao mesmo tempo para evitar a estagnação e o tédio da criança. Por isso, é fundamental ter o apoio de especialistas capacitados que possam avaliar a pessoa e definir qual é a melhor estratégia.

As técnicas visam substituir comportamentos inadequados por outros mais positivos e apropriados. Melhorar a concentração, a motivação, a fala e as interações sociais da criança também são importantes e trabalhadas de forma individual.

Patrocinado

As dinâmicas que compreendem a prática podem ser ministradas em casa, em escolas ou em clínicas especializadas e envolvem até 40 horas por semana de terapia individualizada.

A seguir, veja detalhes dos motivos para escolher ABA para seu filho.

Gerenciamento de comportamentos

A ABA ajuda a controlar comportamentos inadequados por meio do reforço positivo. Nesses casos, há uma recompensa como forma de estimular determinada prática.

Sendo assim, aumentam as chances de a criança repetir o comportamento. Já se ocorrer um comportamento negativo, pode haver uma repreensão para inibir tal atitude.

Ensina novas habilidades

Ajuda o autista a ter novas habilidades para serem mais independentes e mais bem-sucedidos no dia a dia.

Patrocinado

Além de ensinar novas habilidades, que possibilitem à criança se integrar em novos ambientes e reduzir comportamentos prejudiciais a ela, como a autoagressão.

Não requer equipamentos

Uma das características mais positivas da ABA é que ela não requer o uso de equipamentos ou ferramentas caras, o que possibilita ser trabalhada não apenas por profissionais.

Sendo assim, os pais e cuidadores podem realizar as atividades em casa ou os professores na escola, sempre com a orientação dos analistas comportamentais.

Foco no autista de forma individualizada

São realizadas avaliações constantes para determinar qual é a melhor estratégia, de acordo com as dificuldades e limitações do autista.

Por isso, são feitas intervenções individualizadas que visam o aperfeiçoamento de habilidades básicas, como olhar, ouvir e imitar, ou complexas, como conversar e interagir com o outro.

Trabalha a motivação

A ABA trabalha com a motivação da criança por meio dos reforçadores, ou seja, estímulos para que os comportamentos positivos voltem a acontecer

O reforço deve ser individual, ou seja, precisa agradar a criança ou jovem. Por isso, há diversos tipos de reforçadores.

Há vários tipos de reforçadores como brinquedos, alimentos, passeios, elogios, jogos, e desenhos, por exemplo.

Diversas dimensões

A ABA possui diversas dimensões centrais e visam ajudar a criar mudanças mais significativas e produzir um impacto maior no comportamento e evolução do autista.

Técnicas de ensino em ABA

A terapia ABA pode ser mais estruturada ou ser mais lúdica e aplicada por meio de brincadeiras. Entre elas, podemos citar:

Motivação – usa a  motivação da criança por meio dos reforçadores, ou seja, estímulos para que os comportamentos positivos voltem a acontecer.

Hierarquia em dicas – trata-se de retirar gradualmente as dicas dadas às crianças para que elas realizem atividades.

Modelagem – visa modificar um comportamento de forma gradual, com treino de aproximações sucessivas.

Ensino de tentativas discretas – as habilidades são divididas em elementos pequenos e “discretos” (ou distintos). O terapeuta apresenta cada elemento da habilidade para a criança, um de cada vez. A criança receberá um reforço positivo após cada resposta correta.

Generalização – consiste em ajudar o indivíduo a aplicar um comportamento aprendido na terapia para o dia a dia.

Referências:

https://www.appliedbehavioranalysisprograms.com/lists/5-techniques-used-in-applied-behavior-analysis/

https://www.autismspeaks.org/applied-behavior-analysis

ttps://childmind.org/article/know-getting-good-aba/

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.