Saiba mais sobre os marcos do desenvolvimento da fala

Patrocinado

Um dos momentos mais esperados pelos pais é o desenvolvimento da fala e com isso, ouvir as primeiras palavras dos bebês.

As crianças tendem a seguir uma progressão natural para dominar as habilidades da linguagem e há alguns marcos que podem ajudar a identificar se o desenvolvimento está ocorrendo normalmente.

A seguir, veja detalhes de como a fala se desenvolve de acordo com a idade do bebê.

2 meses

– Começam a sorrir para as pessoas

– Começam a fazer sons

Patrocinado

– Viram a cabeça em direção aos sons do ambiente

– Conseguem reconhecer as vozes

– Mudam o choro de acordo com a necessidade

4 meses

– Imita as expressões faciais

– Balbucia

– Imita sons

-Gosta de brincar com  outras pessoas

6 meses

–  Fazem sons ao brincar ou quando está sozinho

– Começam a usar a voz para expressar o que deseja

– Respondem quando são chamados

– Movem os olhos na direção dos sons

– Respondem às mudanças no tom de sua voz

– Observam que alguns brinquedos fazem sons

– Levam objetos à boca

– Respondem com pequenos sons: Ah, eh, oh e começa a emitir sons com M e B

9 meses

– Compreendem a palavra “não”,

– Emitem sons juntando várias sílabas como “mamamama” ou “babababa”

– Tentam imitar os sons que as outras pessoas fazem

12 meses

– Compreendem ordens simples como “dá” ou “tchau”

– Emitem sons parecidos com a fala

– Falam “mama”, “papa”

– Fazem exclamações como “uh-oh!”

– Tentam repetir as palavras que ouve

– Viram os olhos na direção dos sons

– Responde pedidos simples

18 meses

– Reconhecem nomes de pessoas, objetos e partes do corpo

– Seguem instruções acompanhadas de gestos

– Falam cerca de 20 palavras

– Compreendem bem as palavras

– Começam a dizer não com a cabeça

24 meses

– Conseguem dizer o seu primeiro nome

– Juntam duas ou mais palavras

– Falam frases simples e curtas

– Começam a falar sozinhos enquanto brincam

– Repetem as palavras que ouviu as outras pessoas falando

– Apontam para objetos ou imagens quando ouve os seus sons

– Seguem comandos simples e entende perguntas simples

– Falam cerca de 200 palavras

30 meses

– Usam a gramática mais desenvolvida

– Conseguem contar pequenas histórias

– Cantam musiquinhas

– Falam o seu nome e sobrenome

– Entendem verbos e instruções

– Vocabulário é composto por mais de 350 palavras

36 meses

– Usam artigos, preposições, plurais e verbos

– Conseguem conversar

– Falam cerca de 1.000 palavras diferentes

48 meses

– Conseguem ser compreendidos por estranhos

– Mantêm longos diálogos

– Contam acontecimentos

– Elaboram frases de 5 ou 6 palavras

– Falam mais de 1200 palavras

Quando procurar ajuda?

É importante que os pais e os responsáveis fiquem atentos aos marcos de desenvolvimento da fala. Se achar que a criança está demorando muito para balbuciar ou falar as primeiras palavras, vale a pena conversar com um pediatra.

Em alguns casos, pode ser necessário passar por um fonoaudiólogo para realizar uma avaliação cuidadosa para determinar que tipo de problema de linguagem ou fala a criança pode ter.

Como as crianças progridem de maneira diferente, pode ser um desafio distinguir entre um atraso e um distúrbio de fala ou linguagem.

Além disso, o atraso de linguagem pode indicar outras condições de saúde. São elas:

– Problema com a boca e a língua;

– Perda de auditiva (surdez);

– Autismo;

– Problemas neurológicos;

– Deficiência intelectual;

– Distúrbios de linguagem como afasia, ou seja, dificuldade em compreender ou falar partes da linguagem devido a uma lesão cerebral ou ao funcionamento do cérebro.

– Transtorno de processamento auditivo, ou seja, dificuldade em entender o significado dos sons que o ouvido envia ao cérebro.

Após o diagnóstico, o plano de tratamento provavelmente envolverá terapia da fala.

Se a criança tiver outras condições como autismo, o médico poderá recomendar outros tratamentos como a intervenção precoce.

Os exercícios de terapia da fala podem se concentrar na construção da familiaridade com certas palavras ou sons. Já os exercícios físicos se concentram no fortalecimento dos músculos que produzem os sons da fala.

Os distúrbios da fala podem afetar a autoestima de uma pessoa e sua qualidade de vida. No entanto, terapia da fala, exercícios respiratórios e, às vezes, medicamentos podem ajudar a melhorar a fala e reduzir os sintomas.

Leia também: O que é o autismo (TEA)?

Referências:

https://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/infant-and-toddler-health/in-depth/language-development/art-20045163

https://www.cdc.gov/ncbddd/childdevelopment/language-disorders.html

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.