www.neuroconecta.com.br

Neuroplasticidade e o cérebro no TEA

A chamada “neuroplasticidade” pode ser definida como a capacidade que o cérebro possui de se reorganizar, de modificar sua estrutura em resposta aos estímulos que recebe do meio ambiente externo. Esse “treinamento” possibilita a evolução do potencial neuronal, ou seja, o desempenho dos neurônios responsáveis por atuar em atividades como linguagem, motoras e sociais.

O que isso significa? Que o cérebro humano pode ser considerado altamente plástico! Para quem está no Transtorno do Espectro Autista (TEA) a neuroplasticidade significa a possibilidade desenvolver e aperfeiçoar as habilidades do autista por meio das experiências as quais o autista vai sendo submetido, em amplos sentidos, sobretudo sensoriais: audição, paladar, tato, olfato e visão.

Para “ativar” o potencial que a neuroplasticidade pode ter sobre a condição de quem está no TEA, é importante empreender ações de aprendizagem que estimulem os neurônios de maneira a contribuir com a melhora nos processos de reabilitação e otimização de resultados funcionais do cérebro de quem está no espectro.

Por isso o diagnóstico precoce é considerado fundamental para quem está no TEA. Quanto mais cedo são introduzidas novas práticas e rotinas terapêuticas capazes de estimular o funcionamento do cérebro, mais os neurônios podem ser treinados a superar as limitações decorrentes do distúrbio.

Leia também: Plasticidade cerebral e poda neural: compreenda a conexão com o TEA

Na medida em que a neurociência evolui – campo de estudo dedicado à compreender o mecanismo do cérebro humano – mais surgem avanços que possibilitam a compreensão da neuroplasticidade no TEA. Acompanhe as notícias em nosso site e fique por dentro dos avanços científicos sobre Autismo!

 

Referências:

Raun K. Kaufman. Neuroplasticity. (Can your child’s brain change?). Disponível em http://blog.autismtreatmentcenter.org/2017/01/neuroplasticity-can-your-childs-brain-change.htmlAcessado em 31 de março de 2018.

Jeffrey A. Kleim and Theresa A. Jones. Principles of Experience-Dependent Neural Plasticity: Implications for Rehabilitation After Brain Damage. Journal of Speech, Language, and Hearing Research, February 2008, Vol. 51, S225-S239. doi:10.1044/1092-4388(2008/018). History: Received February 27, 2006; Accepted February 7, 2007. Disponível em <https://jslhr.pubs.asha.org/article.aspx?articleid=1773394> Acessado em 28 de março de 2018.

Neuroplasticity and young children with autism. A tutorial.Anatomy & Physiology: Current Research. Disponível em https://www.omicsonline.org/open-access/neuroplasticity-and-young-children-with-autism-a-tutorial-2161-0940-1000209.php?aid=69619#3Acessado em 28 de março de 2018.

Posts Relacionados