Entendendo o Transtorno Opositivo Desafiador (TOD)

Patrocinado

O Transtorno Opositivo Desafiador (TOD) é um dos transtornos mais comuns na infância.

De acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais 5.ª edição (DSM-5), o TOD é uma condição que afeta diretamente o aspecto comportamental onde a criança ou o adolescente apresenta um quadro de irritabilidade, padrões persistentes de comportamentos negativistas, desobedientes e desafiadores.

Os sinais do TOD normalmente surgem antes dos 8 anos de idade e é mais comum em meninos do que meninas. Ainda não se conhece uma causa específica para o desenvolvimento do TOD, mas é provável que exista uma associação entre fatores genéticos e ambientais.

O TOD é uma das comorbidades que pode ser observada no Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). O termo comorbidade trata-se da co-existência de dois ou mais transtornos ou doenças.

A palavra comorbidade é formada pelo prefixo latino “cum” que significa correlação, e pela palavra morbidade, originada de “morbus”, que significa estado patológico ou doença.

Patrocinado

Alguns sinais do TOD:

  • Hostilidade;
  • Irritabilidade;
  • Desobediência;
  • Desafia regras;
  • Agressão verbal;
  • Apresentam surtos de raiva;
  • Apresentam tendência vingativa.

O tratamento requer uma abordagem multidisciplinar, onde inclui terapia comportamental, medicação e um bom suporte escolar.

Muitas vezes os indivíduos com o transtorno evoluem para um quadro de depressão e/ou Transtorno de conduta, por isso é muito importante ficar atento aos sintomas e buscar tratamento médico.

O TOD deve ser acompanhado pelo neurologista ou pelo psiquiatra infantil. Esses profissionais estão preparados para perceber os sintomas e indicar o melhor tratamento.

Além disso, poderão investigar se a criança ou adolescente apresenta outros transtornos associados como por exemplo TDAH, Transtorno de ansiedade, Transtorno de aprendizagem ou Transtorno de linguagem.

A intervenção precoce é essencial e ajuda a prevenir a progressão do transtorno para quadros mais graves. Por isso, é sempre importante buscar ajuda profissional.

Patrocinado

Leia também: Saiba mais sobre o TDAH

Referências:

 American Psychiatric Association (2013). Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 5th Edn. Washington, DC: American Psychiatric Association.

 Yixin Tang, Xiuyun Lin, Peilian Chi, Qing Zhou, and  Xiangning Hou. Multi-Level Family Factors and Affective and Behavioral Symptoms of Oppositional Defiant Disorder in Chinese Children. Front Psychol. 2017; 8: 1123. 

Lavigne J. V., Bryant F. B., Hopkins J., Gouze K. R. Dimensions of oppositional defiant disorder in young children: model comparisons, gender and longitudinal invariance. J. Abnorm. Child Psychol. 2015; 43, 423–439.

Egger H. L., Angold A. Common emotional and behavioral disorders in preschool children: presentation, nosology, and epidemiology. J. Child Psychol. Psychiatry. 2006; 47, 313–337.

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.