Saiba mais sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

Patrocinado

Você já ouviu falar sobre o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)? Ele é um transtorno neurobiológico de causas genéticas que costuma aparecer na infância e acompanhar a pessoa por toda a vida.

Entre os sintomas, destacam-se: desatenção, hiperatividade, inquietude e impulsividade. O diagnóstico geralmente ocorre quando a criança tem entre 6 e 12 anos ou logo após ingressar na escola.

Estima-se que o TDAH atinja cerca de 3 a 5% das crianças em todo o mundo.

De acordo com o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. 5ª Ed. 2013), o TDAH é mais comum no sexo masculino do que no feminino.

E há três graus de TDAH: leve, em que a rotina da pessoa não é afetada; moderada, quando os sintomas começam a atrapalhar as atividades; e grave quando há vários sintomas que causam problemas na rotina profissional e escolar.

Patrocinado

Principais sintomas

Para ter um diagnóstico, o médico avaliará os sintomas que a criança apresentou nos últimos meses. O DSM-5 definiu alguns critérios para que ocorra um diagnóstico correto do TDAH. Os sintomas variam de acordo com o tipo de TDAH – hiperativo, desatento ou ambos.

Para ser diagnosticado com TDAH, é importante que a criança ou adulto tenha um padrão persistente de desatenção e/ou hiperatividade que altere o seu desenvolvimento, aprendizagem e rotina diária. Veja alguns sinais:

– incapacidade de reconhecer as necessidades e desejos de outras pessoas. Por isso, acabam fazendo interrupções frequentes e sentem dificuldade para esperar a sua vez;

– uma criança com TDAH pode ter problemas para manter suas emoções sob controle. Podem sentir raiva em momentos inapropriados, por exemplo;

– pode mostrar interesse em muitas atividades diferentes, mas não consegue terminá-las;

Patrocinado

– a falta de foco pode ser constante. Uma criança com TDAH apresenta dificuldade em prestar atenção, mesmo quando alguém está falando diretamente com ela;

– tendem a evitar tarefas que exigem esforço mental prolongado. Sendo assim, não conseguem prestar atenção na aula ou fazer o dever de casa;

– cometem mais erros por desatenção ou dificuldade na hora do planejamento. Mas isso não quer dizer que sejam preguiçosos ou falta inteligência;

– uma criança com TDAH também pode ser mais introspectiva, sonhar acordada e ignorar o que está acontecendo ao seu redor;

– é comum serem esquecidas nas atividades diárias. Eles podem esquecer de fazer as tarefas e também perder objetos como brinquedos por desatenção;

–  sentem dificuldades para ficar parados, agem sem pensar e possuem pouca noção de perigo. Por isso, levantam da cadeira em sala de aula a todo momento, por exemplo;

– não escutam quando lhe dirigem a palavra;

– não conseguem brincar calmamente;

– costumam falar demais e interrompem com frequência;

– na adolescência podem ter baixa autoestima, serem mais agressivos e abusar de álcool e drogas;

– os adultos sem tratamento tendem a ter problemas no ambiente de trabalho e nas relações amorosas – não conseguem ser organizados, são impulsivos e sentem dificuldade para respeitar hierarquia.

Como conviver com TDAH

Não há cura para o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, pois não é uma doença. Entretanto, há tratamento e mudanças na rotina e comportamentos de familiares que podem ajudar os pais e as crianças a conviverem com o TDAH.  Após o diagnóstico, os pais devem aceitar o fato de que as crianças com TDAH têm cérebros que funcionam de maneiras diferentes e podem ter comportamentos impulsivos.  É comum que o especialista indique uma combinação de medicamentos, além de orientar pais e professores a lidar melhor com o transtorno. Em alguns casos, indica-se a terapia comportamental.

TEA e TDAH

Podem ocorrer uma confusão entre os sintomas de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Isso porque as crianças, em ambos os casos, podem ter problemas para manter o foco, ser impulsivas, ter dificuldade em se comunicar e se relacionar.

Mas são transtornos distintos. Quem possui TEA, sente dificuldades para se desenvolver, nas habilidades de linguagem e interações sociais e a capacidade de aprender. É comum que quem possua autismo também tenha o TDAH.

O diagnóstico correto e precoce é a melhor forma de evitar que as crianças tenham o tratamento adequado para se desenvolver plenamente, de acordo com suas limitações e particularidades.

Referências:

American Psychiatric Association (2003). Transtorno de déficit de atenção e de comportamento disruptivo. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. (4ª ed).

https://www.autism.org.uk/adhd

https://add.org

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.