Entenda por que autismo não é doença

Patrocinado

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, o autismo não é uma doença e sendo assim, também não tem cura.

O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é uma condição relacionada ao desenvolvimento do cérebro que afeta a forma como uma pessoa percebe o mundo e se socializa.

Dessa forma, elas podem ter  dificuldades de interação social e comunicação. Porém, muitas pessoas com autismo conseguem realizar todas as suas atividades diárias, enquanto outros podem necessitar de ajuda.

Entenda as diferenças entre doença, síndrome e transtorno

No campo da saúde, os termos “doença”, “síndrome” e “transtorno” são frequentemente usados, porém muitas vezes podem gerar confusão. Compreender as nuances entre esses conceitos é fundamental para uma compreensão mais clara das condições médicas e psicológicas.

Você já parou para pensar a respeito desses termos?

Patrocinado

Inicialmente, pode parecer que estamos falando sobre alguns sinônimos. Mas, os significados são diferentes.  Veja a seguir:

O que é doença?

Doença significa, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ausência de saúde – que é o estado de completo bem-estar físico, mental e social. Sendo assim, ocorre quando o organismo apresenta sintomas específicos que alteram suas funções.

A palavra doença vem do latim dolentia que significa “sentir ou causar dor, afligir-se, amargurar-se”. Alguns exemplos: câncer, dengue, febre amarela, malária, entre outras.

O que é síndrome?

Uma síndrome é um conjunto de sinais e sintomas que ocorrem juntos e que, quando identificados em conjunto, apontam para uma condição ou doença específica.

Uma síndrome pode não ter uma causa única identificável, e seus sintomas podem variar em gravidade e apresentação. Exemplos comuns incluem a Síndrome de Down e a Síndrome do Intestino Irritável.

O que é transtorno?

Um transtorno é uma condição de saúde mental que causa sofrimento significativo e compromete o funcionamento diário de uma pessoa. Os transtornos podem afetar o humor, o comportamento, o pensamento e a interação social.

Portanto, eles geralmente são diagnosticados com base em critérios específicos estabelecidos em manuais de diagnóstico, como o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) e na CID 11.

Exemplos incluem Transtorno de Ansiedade Generalizada e Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH),  o Transtorno Obsessivo Compulsivo e o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

Por que o autismo não é doença e sim um transtorno?

De acordo com o último Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), o Transtorno do Espectro do Autismo “é definido pela presença de déficits persistentes na comunicação social e na interação social em múltiplos contextos, atualmente ou por história prévia”.

Além disso, apresentam padrões restritos e repetitivos de comportamento. Por isso, apresentam comportamentos sensoriais incomuns, interesses restritos, fixos e intensos.  No dia a dia, essas mudanças e situações novas geram medo, ansiedade, irritabilidade e podem causar crises e choros.

Dessa forma, o autismo não se encaixa na definição de doença, mas é considerado um transtorno que pode ser melhorado e tratado para que a pessoa possa se adequar ao convívio social e às atividades gerais. Os sintomas podem aparecer ainda nos primeiros anos de vida da criança.

Segundo estudiosos da Universidade de Miami (EUA), o primeiro sinal pode ser reconhecido pela comunicação não verbal. Nesse caso, pela forma como o bebê olha para os objetos e solicita o que deseja. O choro sem interrupção, apatia exacerbada, se incomodar com o toque também são sinais que devem ser notados pelos pais ou médicos.

As causas do autismo ainda não são totalmente conhecidas, porém, segundo a Associação Médica Americana, as probabilidades de uma criança ter autismo devido à herança genética são de mais de 50%. 

O autismo atinge 80 milhões de pessoas no mundo, ou seja, 1% da população mundial. A maioria é do sexo masculino – cerca de quatro meninos para uma menina.

Saiba mais sobre o autismo em meninas

Para melhorar a qualidade de vida e a interação social, as terapias indicadas promovem o acompanhamento do comportamento e visam aprimorar a comunicação.

E quanto antes ocorrer uma intervenção com especialistas, maiores serão os progressos nas relações afetivas e atividades diárias das pessoas que vivem com o autismo.

Referências:

https://www.who.int/about/who-we-are/

DSM-V, American Psychiatric Association – Manual de Diagnóstico e Estatístico de Distúrbios Mentais 5ªed. Edit. Artes Médicas

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.