Saiba mais sobre os Transtornos de Linguagem

Patrocinado

Pessoas com algum tipo de Transtorno de Linguagem apresentam dificuldades de se expressar e entender o que os outros estão dizendo. Vale reforçar que isso não está relacionado a problemas de audição.

Geralmente, esse  transtorno é percebido na primeira infância pelos pais ou educadores.

Há diversos tipos de Transtornos de Linguagem. E eles podem interferir na comunicação do indivíduo ao afetar a fala, a linguagem, a audição ou a voz.

Crianças com esses transtornos apresentam fala ininteligível (troca de sons na fala), dificuldades na elaboração de frases, para narrar os fatos e histórias, podem apresentar um vocabulário pobre, déficits de memória, entre outros sintomas.

Tudo isso pode atrapalhar o desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita e causar dificuldades de alfabetização. Com isso, essas crianças podem ter problemas emocionais como baixa autoestima e dificuldades de interação com os colegas.

Patrocinado

Dessa forma,  o diagnóstico e a intervenção precoce nos atrasos de fala e de linguagem são importantes para aumentar a qualidade de vida.

As causas dos transtornos de linguagem podem variar – é comum ocorrer por questões genéticas, degenerativas, por conta de uma lesão, questões ambientais e/ou emocionais.

A seguir, vamos detalhar alguns transtornos de linguagem.

Dislalia

Trata-se de uma dificuldade de falar alguns sons, o que causa erros na pronúncia ou dificuldade de articular palavras. É comum, por exemplo, trocar a letra R por L. Pode também omitir algumas letras.

Há alguns tipos de dislalia. A evolutiva, por exemplo, define-se como uma dificuldade de fala temporária que passa com a idade; já funcional é aquela em que há substituições de letras.

Patrocinado

A audiógena ocorre em casos de deficiência auditiva e a orgânica acontece quando há alguma lesão cerebral ou alterações na estrutura da boca e língua.

Disfemia

Pode ser definido como umdistúrbio na temporalização da fala que afeta a fluência e a comunicação. Por isso há repetição frequente ou prolongamento de sons, sílabas ou palavras. Além de dúvidas frequentes ou pausas que interrompem o fluxo rítmico da fala.

Alguns especialistas consideram a disfemia e a gagueira o mesmo Transtorno, enquanto outros diferenciam as duas alterações de fala. Geralmente, os sintomas podem estar associados ao estado emocional da pessoa.

Estima-se que 5% da população mundial é afetada por esse transtorno.

Algumas crianças podem apresentar este distúrbio até  os 5 anos de idade e terem uma fala vacilante, repetições de vocábulos, semelhantes ao gaguejar. Mas isso cessa após o desenvolvimento da criança.  

Afasia

É uma condição que limita ou cessa a capacidade de comunicação. Afeta a capacidade de falar, escrever e compreender a linguagem, tanto verbal quanto escrita.

Pode ocorrer repentinamente após um derrame ou traumatismo craniano. E também surgir gradualmente por causa de um tumor cerebral. Às vezes, podem ocorrer episódios temporários de afasia. 

Entre os sintomas destacam-se:

  • frases curtas ou incompletas;
  • falar frases que não fazem sentido;
  • substituir uma palavra por outra ou um som por outro;
  • não entende a conversa de outras pessoas;
  • escreve frases que não façam sentido.

Apraxia da fala

Trata-se de uma condição neurológica em que a pessoa é incapaz de realizar voluntariamente movimentos motores da boca, língua, lábios e mandíbula para produzir sons de fala claros e consistentes.

Isso ocorre mesmo que os músculos estejam normais e ela saiba como fazer o movimento. É uma desordem neurológica da fala.

Por isso, pode fazer com que a pessoa perca a capacidade de falar. Pode estar presente desde o nascimento e afetar a capacidade da criança de formar sons e palavras.

Formas de tratamento

O diagnóstico pode ser realizado por um pediatra ou fonoaudiólogo, que é o profissional especializado no tratamento de problemas de linguagem e distúrbios da fala. 

Após avaliar a pessoa com o Transtorno de Linguagem,  o especialista definirá como será processo terapêutico de acordo com as dificuldades apresentadas.

A terapia de fala pode ser bastante eficaz para a redução dos sintomas dos Transtornos de Linguagem. São realizados exercícios que ajudam na familiaridade com certas palavras ou sons.

Por conta disso, é fundamental procurar um fonoaudiólogo especialista e capacitado para atender as necessidades da pessoa com o transtorno.

O tratamento  pode levar tempo. Quando as crianças têm algum tipo de transtorno de linguagem é necessária a participação dos profissionais, familiares, cuidadores e educadores, pois essas pessoas ajudam no processo terapêutico.

Já que estes são responsáveis por ajudar e incentivar as  atividades que estimulam a criança a aperfeiçoar sua capacidade de falar com clareza.

Referências

https://www.cdc.gov/ncbddd/childdevelopment/language-disorders.html

https://www.medicalnewstoday.com/articles/324764

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.