Saiba mais sobre o Transtorno Específico de Linguagem

Patrocinado

O Transtorno Específico de Linguagem é um distúrbio da comunicação que interfere no desenvolvimento das habilidades da linguagem em crianças que não apresentam perda auditiva ou deficiência intelectual. 

Ele pode afetar a fala, a audição, a leitura e a escrita. Estima-se que afete até 8% das crianças no jardim de infância. O impacto desse transtorno geralmente persiste na idade adulta.

A causa é desconhecida, mas pesquisas recentes sugerem que há uma forte ligação genética. Crianças com esse transtorno têm maior probabilidade de ter pais e irmãos que também tiveram dificuldades e atrasos na fala. 

Vale destacar que assim como ocorre com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), o Transtorno Específico de Linguagem é uma condição que ocorre durante o neurodesenvolvimento.

Ambos Transtornos se manifestam precocemente e se não forem identificados prejudicam a qualidade de vida  da criança.

Apesar de serem Transtornos distintos, pessoas com autismo podem apresentar o Transtorno Específico de Linguagem. Mas mesmo tendo prejuízos de linguagem em ambas as condições, eles ainda são mais acentuados no TEA.

Quais são os sintomas?

Uma criança com o Transtorno Específico de Linguagem geralmente demora mais para falar. E depois sentem dificuldade de aprender novas palavras e conversar. Também afeta mais meninos que meninas.

A seguir, veja outros sintomas:

  • Sentem dificuldade em seguir instruções, pois não entendem as palavras;
  • Cometem erros gramaticais frequentes ao falar;
  • Persistentes dificuldades de linguagem;
  • Uso limitado de frases complexas;
  • Dificuldade em encontrar as palavras certas;
  • Dificuldade em entender a linguagem metafórica;
  • Problemas de leitura;
  • Troca de sons na fala;
  • Inverte a ordem das palavras;
  • Fala difícil de compreender;
  • Vocabulário restrito;
  • Hesitações parecidas com gagueiras.

Para diagnosticar o Transtorno há um critério de exclusão de outros quadros, como deficiência auditiva e intelectual e autismo.

Um fator fundamental é que a criança com esse Transtorno geralmente apresenta um desempenho em comunicação abaixo do esperado para  idade. Geralmente, ela brinca e interage, mas a linguagem não evolui. 

A importância do diagnóstico

É importante que pais e cuidadores fiquem atentos aos sinais e busque ajuda se achar que a criança apresenta o Transtorno.

As primeiras palavras já podem ser observadas a partir de um ano de idade. Mas, cada criança é única e pode demorar um pouco mais para falar.

Geralmente, um fonoaudiólogo, que é um profissional capacitado para identificar os problemas de fala ou linguagem,  poderá avaliar as habilidades de linguagem da criança. 

O tipo de avaliação depende da idade da criança, mas geralmente ocorre uma observação direta dos comportamentos e dificuldades de fala, entrevistas e questionários que são respondidos por pais ou professores.

Há também avaliações da capacidade de aprendizagem da criança e alguns testes para checar o desempenho da criança.

Intervenções terapêuticas e como conviver com o Transtorno

O Transtorno Específico de Linguagem aparece na primeira infância e provavelmente permanecerá durante toda a vida, mas a criança pode se desenvolver e aprender a lidar com ele.

Com a terapia fonoaudiológica, é possível melhorar o desempenho no processo de comunicação por meio do desenvolvimento de habilidades das crianças com o Transtorno.

O tratamento precoce durante os anos pré-escolares pode melhorar as habilidades de muitas crianças com atrasos de linguagem.

Sabe-se que  a intervenção terapêutica realizada antes dos 3 anos de idade tem se mostrado bastante eficaz.

Isso contribuirá para melhorar a interação social, os relacionamentos amorosos e profissionais, além do aprendizado escolar.

Geralmente, as medidas terapêuticas e intervenções variam de acordo com a idade e as necessidades da pessoa.

Quanto antes, melhor. Uma vez que assim a criança passará a adquirir os elementos gramaticais que faltam, ampliará sua compreensão de palavras e desenvolverá habilidades de comunicação social.

Referências

https://www.scielo.br/pdf/rcefac/2012nahead/188-11.pdf

https://www.sanarmed.com/artigos-cientificos/compreensao-de-ambiguidade-em-criancas-com-transtorno-especifico-de-linguagem-e-fala-e-transtorno-do-espectro-autista

https://leader.pubs.asha.org/doi/10.1044/leader.FTR1.06122001.4

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Fabiele Russo é Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP).