Saiba mais sobre o Denver II

Patrocinado

Você já ouviu falar sobre o Teste de Denver II? Trata-se de uma escala utilizada por profissionais de saúde para avaliar e identificar se as crianças apresentam atraso de desenvolvimento.

Vale destacar que não mede o QI (quociente de inteligência) da criança e não foi desenvolvido para diagnosticar distúrbios de aprendizagem ou emocionais.

O teste  realiza observação da execução dos itens e também no relato dos pais. Em seguida, compara o desempenho de uma determinada criança com o desempenho de outras crianças da mesma idade. Geralmente, é realizado em crianças de zero a seis anos de idade.

É utilizado no Brasil há mais de 50 anos por pesquisadores e profissionais da área de saúde devido à facilidade de aplicabilidade. Em 1992, passou por uma revisão em alguns itens e atualização das normas por idade, resultando no Teste de Triagem de Desenvolvimento de Denver-II.

Basicamente, o Teste de Denver II mede a aquisição de determinadas funções de desenvolvimento em relação à idade cronológica da criança.

Patrocinado

Sendo assim, permite avaliar rapidamente o estado de determinadas funções e, assim, definir estratégias e procedimentos de estimulação do desenvolvimento psicomotor.

Áreas avaliadas pelo Denver II

O Teste de Denver II apresenta um formulário composto de 125 itens representados por tarefas organizadas em quatro áreas de desenvolvimento:

  • Pessoal-social, ou seja, envolve aspectos da socialização da criança dentro e fora do ambiente familiar.
  • Motricidade fina, avalia a coordenação olho-mão e a manipulação de pequenos objetos;
  • Linguagem, ou seja, avalia a produção de som, capacidade de reconhecer, entender e usar a linguagem;
  • Motricidade ampla, ou seja, averigua os movimentos amplos como sentar, caminhar, pular.

Para quem é indicado e como funciona

O teste de denver II possibilita a avaliação de crianças com desenvolvimento típico e atípico, na faixa etária de 0 a 6 anos.

Ele consegue avaliar o desenvolvimento infantil por meio de um teste de triagem. O examinador detecta a presença de um problema de desenvolvimento que necessite de uma investigação mais aprofundada.

Geralmente, é aplicado individualmente, por cerca de 20 minutos. Para a aplicação, é necessário a utilização do formulário do teste, do manual de treinamento e do kit de estímulos.  O formulário possui itens organizados por área de desenvolvimento.

Patrocinado

A interpretação dos itens permite classificar o teste como: normal, quando a criança não apresenta nenhum “atraso”; risco, quando apresenta dois ou mais “cuidados” e/ou um ou mais “atrasos”; não testável, quando recusa-se a realizar a atividade em um ou mais itens.

Ao final da avaliação, o especialista deve checar o comportamento da criança durante a aplicação da escala: se ficou atenta, tímida ou cooperando.

Devido a sua praticidade,  pode ser utilizado em unidades básicas de saúde, ambulatórios, consultórios, clínicas, unidades pediátricas em hospitais, creches, pré-escolas e serviços especializados em distúrbios do desenvolvimento infantil.

E você, conhece alguém que tenha realizado o teste de Denver II?

Referências:

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/1370185/

https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2214.2011.01332.x

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.