Saiba mais sobre a hipotonia

Patrocinado

A hipotonia ou o tônus muscular baixo é a diminuição da força muscular e dos músculos.

Por isso, os músculos não são tão firmes quanto o esperado em termos de desenvolvimento.

Normalmente, mesmo quando relaxados, os músculos têm uma quantidade muito pequena de contração que dá uma sensação de elasticidade e fornece alguma resistência ao movimento passivo.

Crianças com baixo tônus muscular podem apresentar atraso nas habilidades motoras, semelhantemente podem apresentar também, dificuldade de coordenação motora e fraqueza muscular, entre outras condições.

Em inglês, essas crianças ficaram conhecidas como floppy babies, ou “bebês molengas”, em tradução livre.

Patrocinado

Esse problema de saúde é comum em crianças com autismo.

Estima-se que aproximadamente 30% das crianças com autismo têm perda moderada a grave de tônus muscular.

Elas podem apresentar uma postura inadequada, dificuldade em executar tarefas motoras finas e grossas adequadas à idade, consciência corporal deficiente, dificuldade em mastigar e problemas de fala.

O pescoço e o tronco ficam moles, gerando dificuldade para sustentar a cabeça e se sentar.

A hipotonia é mais frequentemente detectada em bebês logo após o nascimento ou quando são muito jovens.

Mas, esse problema também pode aparecer em crianças maiores.

Esse tônus muscular fraco tende a sinalizar um problema no cérebro, na medula espinhal, nos nervos ou nos músculos.

Os sintomas da hipotonia incluem:

  • Falta de controle parcial ou total da cabeça;
  • Atraso no desenvolvimento motor;
  • Diminuição da força;
  • Hipersensibilidade;
  • Dificuldades de fala;
  • Postura debilitada.

Diagnóstico e tratamento da hipotonia

Primordialmente, os pais devem ficar atentos aos sinais dessa fraqueza muscular.

É importante perceber se a criança fica com os braços e as pernas em linha reta enquanto descansa.

E também verificar se ela pode escorregar das mãos quando é segurada – já que os braços se erguem sem resistência.

A hipotonia geralmente é diagnosticada durante o primeiro ou até o segundo ano de vida.

O diagnóstico geralmente é realizado pela observação clínica.

Em seguida, o especialista solicita exames laboratoriais, estudos de imagem, como a tomografia computadorizada, ressonância magnética e eletroencefalograma.

Cabe destacar que a hipotonia é diferente da fraqueza muscular, mas algumas vezes pode ser difícil distinguir as duas condições.

Mas, quanto mais precoce for à detecção do quadro, maiores serão as chances da criança ter um tratamento adequado.

O tratamento da criança hipotônica deve ser adaptado de acordo com a condição específica.

Existem algumas estratégias para trabalhar o baixo tônus muscular e geralmente consistem em exercícios usados para aumentar a força muscular.

A terapia costuma ser de suporte e com uma equipe de reabilitação formada por vários profissionais como o profissional de educação física, psicomotricista, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo e fisioterapeuta.

As atividades físicas supervisionadas por um profissional de educação física pode ajudar no aumento da força muscular e diminuição da hipotonia.

A psicomotricidade também pode ajudar no tônus muscular e nas questões psicomotoras.

A terapia ocupacional pode ajudar a pessoa a aprender maneiras de realizar as atividades da vida diária.

Já o fonoaudiólogo pode ajudar nas dificuldades de respiração, fala e deglutição.

Por fim, a fisioterapia pode melhorar o controle motor e a força geral do corpo.

Referências:

https://www.saudecuf.pt/mais-saude/doencas-a-z/hipotonia

http://medicina.fm.usp.br/gdc/docs/revistadc_96_p.82-93%20862.pdf

https://www.webmd.com/baby/hypotonia-floppy-infant-syndrome

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.