Professor de Apoio e Sala de Recursos. Saiba qual a importância disso para alunos com TEA!

Patrocinado

Algumas crianças com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) podem sentir dificuldades em frequentar uma escola, conviver com outros colegas e aprender. Por isso, é fundamental que essas crianças tenham apoio e alguém para auxiliá-las nesse processo de inclusão e aprendizagem.

A legislação garante que a criança ou jovem autista tenha assegurado o direito de ter um professor de apoio e outros mecanismos como sala de recursos para conseguir estudar.

Cada estudante com autismo possui potencialidades e necessidades específicas de aprendizagem. Eles precisam ter o apoio de um Atendimento Educacional Especializado (AEE) em uma sala de recursos que permita a eles se desenvolverem plenamente. 

O que deve ter uma sala de recursos

A sala de recursos da instituição precisa ter muitos instrumentos de tecnologia assistiva, como computadores com teclado colmeia, acionadores, planos inclinados e materiais pedagógicos que contemplem as diversas necessidades educacionais especiais (NEE).

Além disso, precisa ter rampas, pisos táteis e portas adaptadas para garantir a circulação por todos os espaços. Mas, para garantir a inclusão é necessário oferecer a preparação adequada aos professores, tanto aos que trabalham em salas regulares quanto aos que atuem na sala de recursos. 

Patrocinado

É fundamental que a sala de recursos seja planejada para ser eficaz no processo de inclusão. Por isso, a escola precisa ter uma estrutura adequada para receber e oferecer condições favoráveis para a troca de informações e interação entre os estudantes com necessidades especiais.

Alguns recursos importantes:

– Mesa com recorte que permite a regulação da altura para que os alunos cadeirantes fiquem em uma posição mais confortável.

– Brinquedoteca que contenha diversos brinquedos e jogos.

– Materiais diversos como tesouras adaptadas, réguas de leitura para ampliar o tamanho do texto e calculadoras sonoras.

Patrocinado

– Letras móveis que são instrumentos usados por alunos com dificuldade para segurar lápis ou canetas.

– Teclado com colmeia para facilitar a digitação de estudantes com dificuldades motoras.

O papel do professor de apoio

O professor de apoio é um direito do aluno autista garantido por lei e ele contribui para que quem tem TEA absorva o conteúdo apresentado em sala. O aluno com TEA poderá ter acesso a um profissional de apoio escolar, como um professor de apoio, para auxiliar no processo de aprendizagem em sala de acordo com o que foi estabelecido na lei nº 12.764/2012.

Esse profissional participa da reintegração da pessoa com TEA na sala de aula e ajuda na inclusão escolar. Cabe a ele, adaptar as atividades, auxiliar nas interações sociais e aplicações didáticas.

O professor de apoio atua juntamente com a equipe pedagógica e com o professor regular. Eles definem as estratégias que serão utilizadas para que o estudante autista tenha acesso ao aprendizado das disciplinas e das formas de avaliação que permitam que a aprendizagem seja efetiva.

Ele contribui para melhorar as habilidades de leitura, escrita, matemática, compreensão e comunicação do autista. E também define uma rotina, ensina sobre regras e comportamentos adequados na sala de aula.

Em alguns casos, esse profissional também pode auxiliar o aluno nos momentos de higiene, alimentação e locomoção. A instituição de ensino deve providenciar um professor de apoio especializado diretamente na secretaria de educação à qual está vinculada. Lembrando que essa contratação é um dever da instituição de ensino.

O papel da escola no processo de inclusão

Cabe a instituição de ensino investir na capacitação do corpo docente e nos demais colaboradores da escola para receber o aluno com TEA. Essa é a melhor forma de facilitar a inserção da criança nesse novo ambiente.

A escola precisa traçar um plano de ensino respeitando a capacidade de cada criança e estabelecer estratégias de aprendizagem diversificadas com o suporte da sala de recursos.

A sala de recursos deve ser mais uma ferramenta que respeite as limitações sociais e sensoriais da criança e contribua para promover atividades que ajudem nesse processo de aprendizagem e inclusão social.

Referências

https://pantheon.ufrj.br/bitstream/11422/2190/1/LCCSantos.pdf

https://www.thoughtco.com/special-education-resource-room-3110962

https://www.education.vic.gov.au/parents/additional-needs/Pages/autism-school-support.aspx

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.