Uso de células-tronco no tratamento do autismo

Patrocinado

A terapia com células-tronco promete ser uma forma de tratamento para várias doenças e transtornos e em alguns casos já é uma realidade, principalmente na medicina regenerativa.

O tratamento tem o objetivo de substituir as células danificadas do corpo usando células saudáveis. Essas células conseguem realizar a auto-renovação, ou seja, dar origem a outras células-tronco iguais a ela e também se diferenciar em diversos tecidos.

As células-tronco são usadas em modelos científicos para a compreensão do autismo e nos testes de medicamentos. Mas, em relação ao tratamento do autismo, o uso das células-tronco ainda é bastante controverso. 

 Há pesquisas que relacionam a terapia com células-tronco para tratar o autismo e melhorar a qualidade de vida dessas pessoas enquanto outras não mostram nenhuma melhora e citam a importância da realização de mais estudos e testes clínicos.

É importante destacar que esse tipo de terapia ainda está nos estágios iniciais e muitas outras pesquisas ainda são necessárias.

É fundamental que os pais e especialistas da área fiquem bastante atentos para separar as informações confiáveis de falsas promessas.

É importante ressaltar que:

  • Não tem evidências de que esse tipo de tratamento pode ser eficaz para quem tem autismo;
  • Não há provas de que sejam totalmente seguras para as crianças autistas;
  • Não sabemos como essas células-tronco agem no cérebro;
  • Não está claro o mecanismo pelo qual essas células poderiam ser benéficas para quem tem autismo.
  • Não existem terapias com células-tronco aprovadas para o tratamento do autismo. Todas estão em fase experimental e precisamos aguardar os testes clínicos serem finalizados para termos uma conclusão;

Um estudo científico foi publicado no The Journal of Pediatrics. Segundo o estudo o uso de células-tronco de cordão umbilical não se mostrou eficiente no tratamento do TEA. Esse estudo é fruto de um ensaio clínico.

Lembrando que há muitos anos, pessoas com autismo são tratadas por métodos considerados  pioneiros, sem qualquer tipo de comprovação médica. Por isso, é importante redobrar a atenção e buscar ajuda especializada e capacitada para lidar com o Transtorno.

Fica aqui o nosso alerta! Não acreditem em falsas promessas e não arrisque a qualidade de vida do seu filho com terapias invasivas que não foram comprovadas cientificamente. Isso pode ser perigoso

Vamos seguir com as intervenções terapêuticas que tem comprovação, como por exemplo a Analise do Comportamento Aplicada, a ABA. Modelo Denver de intervenção precoce, Intervenção Fonoaudiólogica, Terapia Ocupacional, Fisioterapía entre outras.

Sempre busque pelo desenvolvimento de habilidades, independência, autonomia e qualidade de vida do seu filho.

Referências

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32444220/

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Fabiele Russo é Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP).