Crianças e adultos com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) costumam ter dificuldades na hora de interagir com outras pessoas. Alguns têm até mesmo o desejo de interagir, mas não sabem o que fazer em novas situações.

Habilidades sociais são as regras, costumes e habilidades que orientam nossas interações com outras pessoas e com o mundo ao nosso redor.

Em geral, as pessoas neurotípicas tendem a “adquirir” habilidades sociais da mesma maneira que aprendem habilidades linguísticas: de forma natural e fácil.

As habilidades sociais são importantes para as conversas, participação em jogos,  autocontrole, aumentar a empatia e ajudar a manter contato visual. Além disso, é fundamental para os relacionamentos, seguir regras e viver em sociedade.

Elas não são importantes apenas para construir relacionamentos, mas para desenvolver habilidades para a vida que as crianças precisam quando adultos.

Em um nível social, uma criança com autismo deve aprender a:

  • Brincar com outras pessoas (compartilhando e revezando);
  • Falar com os outros;
  • Gerenciar emoções;
  • Resolver problemas;

 

Como identificar problemas nas habilidades sociais?

Os sintomas que indicam problemas nas habilidades sociais de uma criança são:

  • Atrasos no desenvolvimento da fala;
  • Incapacidade de ler pistas não verbais;
  • Falha em entender os sentimentos dos outros (empatia);
  • Dificuldade em entender piadas, sarcasmo ou provocações;
  • Dificuldade em manter uma conversa;
  • Repete palavras e frases (ecolalia);
  • Dá respostas não relacionadas a perguntas realizadas.

 

Treino de habilidades sociais

No caso dos autistas, essas habilidades sociais precisam ser treinadas ou ensinadas. Para isso, é muito importante buscar ajuda especializada para que o autista conquiste a sua independência e melhore os seus relacionamentos.

Diversas intervenções podem ser realizadas para diminuir a falta de habilidades sociais.

Há casos em que a interação social é trabalhada por meio de atividades e brincadeiras, além do uso do reforço positivo para fixar um comportamento adequado.

O treinamento de habilidades sociais consiste em tratamentos comportamentais de intervenção precoce. O intuito é promover o desenvolvimento comportamental de forma adequada.

Podem ser realizadas diversas técnicas como usar fotos para o reconhecimento de emoções; atividades em grupo para incentivar a interação social e usar tecnologia como vídeos ou jogos que ensinam sobre a linguagem corporal e a comunicação.

Além disso, por meio de leitura de histórias apresentam-se os conceitos e regras sociais para quem tem o TEA.

Como aumentar as habilidades sociais em crianças autistas

Se seu filho ou filha tem habilidades sociais limitadas, isso não significa que ele/ela está destinado a viver assim pelo resto da vida.

Crianças autistas podem se beneficiar muito com a terapia, particularmente a terapia ABA, que é considerada muito eficiente para o autismo. Se as habilidades sociais de uma criança forem ainda mais limitadas por problemas de comunicação, como problemas de fala, a terapia da fala também pode ser recomendada.

Como sempre, os pais e responsáveis são fundamentais nesse processo. Isso porque acompanham a evolução e implementam as lições aprendidas na terapia em casa, reforçando os comportamentos positivos.

A encenação pode ser uma ótima maneira de ajudar crianças autistas a praticar habilidades sociais e interações.

Os jogos ajudam as crianças autistas a aprender a se revezar, seguir as regras e praticar esportes. Durante o jogo, observe o comportamento da criança e converse sobre o que é esperado dela.

Além disso, preparar uma criança autista para situações sociais é extremamente importante. Converse com seu filho sobre possíveis situações e eventos sociais e como reagir de maneira apropriada. Vale a pena usar recursos visuais como fotos, desenhos e vídeos.

Crianças autistas podem experimentar ganhos significativos em habilidades sociais, mas elas não acontecem imediatamente. É importante ter bastante paciência, não desistir da terapia e reforçar as atitudes em casa.

E você, conhece alguém que apresentou alguma dificuldade nas habilidades sociais?

 

Referências:

https://raisingchildren.net.au/autism/communicating-relationships/connecting/social-skills-for-children-with-asd

https://www.autismspeaks.org/social-skills-and-autism

Neurocientista que estuda o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) há quase 10 anos, Fabiele Russo é Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD) e Pós-doutorado pela USP. Possui ampla experiência na área do autismo.