O papel da Terapia Ocupacional no TEA

Patrocinado

A Terapia Ocupacional busca trabalhar três principais áreas: Atividades de Vida Diária (AVDs), atividades relacionadas a escola (trabalho escolar) e atividades relacionadas ao brincar, sendo este último o principal recurso utilizado pelo TO.

O Terapeuta Ocupacional (TO) é um profissional muito importante durante o processo de intervenção da pessoa com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA).

O TO busca trabalhar com o seu assistido o desenvolvimento de atividades, desde as mais simples, como escovar os dentes ou se alimentar sozinho, às mais complexas, como dirigir um carro por exemplo.

O principal objetivo do TO é ajudar o indivíduo com TEA a se tornar mais independente e assim, contribuir para a melhora da sua qualidade de vida.

Além disso, a Terapia Ocupacional trabalha na integração de atividades em seu dia a dia que satisfazem suas necessidades sensoriais e reduz o excesso ou a falta de estímulo.  A TO ajuda a criança a responder de forma adequada à luz, ao som, ao toque, aos cheiros e outras informações. A intervenção geralmente foca em atividades destinadas a ajudar uma criança a gerenciar melhor seu corpo no espaço.

Patrocinado

Quais habilidades a Terapia Ocupacional pode ajudar a promover?

  • Habilidades de vida diária, tais como vestir-se, pentear o cabelo, escovar os dentes, calçar sapatos, comer sozinho, tomar banho sozinho, entre outras.
  • Habilidades motoras finas como escrever ou usar tesouras para cortar;
  • Habilidades motora para andar de bicicleta, por exemplo;
  • Consciência corporal no espaço;
  • Percepção do corpo;
  • Estimulação sensorial;
  • Habilidades visuais;
  • Habilidades cognitivas.

Trabalhando essas habilidades a pessoa com autismo pode se desenvolver e ser capaz de:

  • Vestir-se;
  • Comer sozinho;
  • Escovar os dentes sozinho;
  • Tomar banho sozinho;
  • Aprender a se concentrar;
  • Aprender a se auto-regular;
  • Conquistar independência.

A terapia ocupacional é uma importante intervenção que auxilia e incentiva o indivíduo com autismo a fazer parte da sociedade e a se tornar mais independente. Não podemos nos esquecer que a participação dos pais e educadores é fundamental nesse processo.

Referências:

The National Autistic Society
Autism Science Foundation
Autism Spectrum Disorders: Guide to Evidence-based Interventions – The Missouri Autism Guidelines Initiative
http://www.crefito9.org.br

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.