Autismo e o mercado de trabalho

Patrocinado

Ter um emprego é fundamental para que a pessoa consiga ser independente, tenha autonomia e liberdade para realizar seus sonhos e alcançar seus objetivos pessoais. Com as pessoas autistas não é diferente. Mas, encontrar um trabalho pode ser um desafio.

Mesmo que eles desenvolvam as suas potencialidades desde cedo, ainda há muita falta de informação e preconceito que podem barrar as chances de um autista conseguir um emprego e se manter no mercado de trabalho.

Para conseguir um emprego, um adulto com autismo provavelmente passará por mais obstáculos, testes e avaliações do que as pessoas neurotípicas. Além disso, os sinais do autismo podem se tornar um empecilho em muitas situações relacionadas ao trabalho.

Alguns adultos autistas sabem exatamente o que querem fazer, qual área de atuação gostariam de atuar, enquanto outros não têm ideia de qual trabalho desejam conquistar. Mas, assim como todas as outras pessoas, eles têm o direito de fazer escolhas e dirigir suas próprias vidas.

Mesmo que uma pessoa tenha habilidades verbais limitadas, é importante saber que o trabalho que está fazendo atende a seus interesses, habilidades e objetivos de vida.

Patrocinado

Por isso, desde cedo, o autista precisa ter um acompanhamento para desenvolver suas habilidades e conseguir ser independente.

Entre as dificuldades encontradas no mercado de trabalho para os autistas, destacam-se: a ansiedade, desafios sensoriais, inflexibilidade na alteração da rotina, dificuldade em lidar com críticas, não conseguir interagir com os colegas e não conseguir se comunicar de forma efetiva.

No Brasil, não há pesquisas que falem sobre a quantidade de autistas no mercado de trabalho. Desde 2007, após a publicação da Convenção de Direitos das Pessoas com Deficiências, foi reconhecida a necessidade de “estímulo à inserção da pessoa com TEA no mercado de trabalho”.

Mas ainda não tem políticas públicas que tratem do assunto e reforcem a necessidade de ter um incentivo de contratação de pessoas com o TEA.

Dificuldades encontradas no ambiente de trabalho

Além disso, os autistas podem encontrar dificuldades dentro do ambiente de trabalho. É bastante comum que as pessoas com o TEA sofram discriminação dos colegas e de alguns empregadores. 

A satisfação e a produtividade do profissional com autismo dependem da adaptação de condições ambientais no trabalho – como a intensidade dos ruídos – e do suporte dos colegas de profissão. Mas, nem sempre os autistas encontram esse apoio.

Outra questão importante é sobre a remuneração. Os salários dos autistas, em média, costumam ser menores do que a de trabalhadores neurotípicos, a quantidade de horas trabalhadas é menor e não há panorama de crescimento profissional.

Há também falta de preparo vocacional para os autistas na adolescência. São poucos os autistas que conseguem ter conhecimento da área que desejam atuar e muitos ficam perdidos quando precisam optar por uma área de atuação.

Mas, a boa notícia é que muitas grandes empresas começaram a ver o valor da contratação de funcionários com o espectro do autismo.

Algumas vantagens que as empresas observam em empregados com autismo:

  • As pessoas com autismo têm facilidade em trabalhar com atividades rotineiras e processos padronizados, além de serem avessos ao descumprimento de normas estabelecidas no ambiente de trabalho; 
  • Se atrasam menos e são mais focados nas atividades;
  • Possuem alta capacidade de memorizar dados e processos relativos à sua atividade laboral;
  • Gostam de manter o ambiente de trabalho limpo e organizado;
  • São profissionais que se motivam com facilidade em relação às tarefas propostas e são capazes de ir além para buscar informações para completá-las;
  • Pensam de forma diferente e podem dar respostas que fujam do pensamento convencional;
  • Podem apresentar habilidades e conhecimento aprofundado em determinadas áreas.

Para quem tem o TEA, trabalhar ajuda na melhoria do desempenho cognitivo e garante maior qualidade de vida para o autista e sua família, além de melhorar suas condições financeiras. Por isso, o autista precisa desde cedo receber apoio para conseguir ingressar em um local de trabalho que o respeite e o ajude a ser autônomo e para que ele tenha todas as condições para contribuir com o crescimento da empresa.

Referências:

O processo e inclusão de autistas no mercado de trabalho, disponível em:

http://periodicos.pucminas.br/index.php/economiaegestao/article/view/15660/13069

https://www.verywellhealth.com/things-you-need-to-know-about-autism-and-employment-4159850

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.