Hora de dormir: conheça a relação entre qualidade do sono e TEA

Patrocinado

Estima-se que até 80% das pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) podem apresentar distúrbios do sono em algum momento de suas vidas. O distúrbio do sono pode ser caracterizado por dificuldade em adormecer, agitação e insônia.

Como você se sente quando se aproxima do horário de dormir? Para aqueles que convivem com o  autismo, seja o próprio autista, seja seu familiar ou cuidador, esse pode ser um momento que gera ansiedade e tensão.

Uma noite mal dormida pode impactar não apenas aquele que está no espectro, mas também os que convivem com ele. A privação do sono pode representar impactos severos na saúde física e mental. Desde a infância, dormir contribui para o desenvolvimento da criança – tanto físico, quanto de habilidades ligadas à cognição e aprendizagem. Além disso, enquanto dormirmos o nosso organismo realiza funções vitais como reparo muscular, a consolidação da memória e a liberação de hormônios que regulam o crescimento e o apetite.

Em quem tem TEA dormir mal pode ainda agravar as fragilidades características do espectro, interferindo em aspectos como humor e comportamento, interação social, aproveitamento acadêmico e em outras atividades, até mesmo as terapêuticas, presentes na rotina do autista.

Mas o que pode causar distúrbio do sono?

– Acordar diversas vezes durante à noite e/ou ter dificuldade para pegar no sono novamente depois

Patrocinado

– Dormir demais

– Ansiedade e estresse decorrente de circunstâncias sociais – que podem gerar insônia

– Déficit de habilidade social – o que dificulta a conexão do autista com as demais pessoas da casa durante os rituais para dormir (como colocar um pijama, reduzir ou apagar a luz, silenciar o ambiente, se deitar etc.)

– Comprometimento na produção de melatonina – hormônio responsável por regular o sono

– Sensibilidade sensorial a sons, luzes e etc. (ou ausência deles)

– Realizar atividades que podem estimular demais nos momentos que precedem o sono

– Efeitos colaterais decorrentes de medicação

– Distúrbios neurológicos como epilepsia, síndrome das pernas inquietas e problemas gastrointestinais também podem causar interferência.

Há estudos que indicam como uma das causas o fato de que quem tem TEA poder apresentar alterações nos genes que regulam o ciclo circadiano, uma espécie de “relógio” em nosso organismo que dá o ritmo das 24 horas (dia/noite), nas quais geralmente uma pessoa dorme aproximadamente 8 horas (quando adulta) e até 16 horas em média (quando bebê/criança).

Como melhorar a qualidade do sono dos autistas?

Estudos sugerem que medidas como estabelecer rotinas para dormir é o principal suporte no gerenciamento do sono de qualidade do autista.

Procure estabelecer uma espécie de “ritual” para a hora de dormir. Isso irá ajudar a criança a se acalmar e ter uma noite de sono proveitosa.

Tomar um banho, reduzir a luz e os sons do ambiente, realizar alguma atividade da qual o autista se sinta confortável (mas que não o estimule e deixe agitado), como contar uma história, podem ser boas estratégias.

É indicado evitar alimentos pesados ou oferecer bebidas que contenham cafeína. Caso necessário, introduzir como opção terapêutica associada o uso de medicamentos pode ser bem-vindo.

Essas ações podem contribuir para melhorar a qualidade de vida das crianças com TEA e também de sua família.

Referências:

Devnani PA, Hegde AU. Autism and sleep disorders. Journal of Pediatric Neurosciences. 2015;10(4):304-307. doi:10.4103/1817-1745.174438. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4770638/ Acessado em 11 de janeiro de 2018.

Sleep and Autism. The National Autism Society. Disponível em http://www.autism.org.uk/about/health/sleep.aspx Acessado em 11 de janeiro de 2018.

weide awake: Why children with autism struggle with sleep. Spectrum News. Disponível em https://spectrumnews.org/features/deep-dive/wide-awake-why-children-with-autism-struggle-with-sleep/ Acessado em 11 de janeiro de 2018.

Yang, Zhiliang et al. Circadian-relevant genes are highly polymorphic in autism spectrum disorder patients. Brain and Development , Volume 38 , Issue 1 , 91 – 99. Disponível em <http://www.brainanddevelopment.com/article/S0387-7604(15)00075-3/fulltext> Acessado em 11 de janeiro de 2018.

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.