Equipe pedagógica: saiba a importância para o desenvolvimento do autista

Patrocinado

Você já parou para pensar na importância da equipe pedagógica no âmbito escolar? É muito comum pensar que a escola é formada apenas pelos professores e diretores.

No entanto, para que uma escola funcione ela precisa de uma equipe pedagógica capacitada. A equipe pedagógica é responsável pela coordenação das ações didáticas e pedagógicas que acontecem na escola.

Cabe a ela, ajudar a desempenhar da melhor maneira o processo de ensino. E também garantir que os professores estejam capacitados para atuar na escola.

A equipe pedagógica é formada por diretores, coordenadores e pedagogos e garante que o ensino ocorra adequadamente, dando suporte para professores e funcionários, além dos alunos.

Portanto, o objetivo é garantir o sucesso escolar dos alunos. Para isso, realiza planejamentos detalhados, investe na formação do corpo docente e em materiais didáticos de qualidade.

Patrocinado

Além de coordenar ações com reformas no espaço para garantir a acessibilidade e melhorar a convivência entre os alunos.

Por que a equipe pedagógica é importante para os autistas?

Uma das principais funções da equipe pedagógica é fazer planejamentos e promover a inclusão dos alunos com autismo.

Portanto, vale destacar que a inclusão é garantir que o aluno se envolva nas atividades dentro da sala de aula e tenha uma experiência de qualidade.  Além de desenvolver suas habilidades, participar da rotina da escola, aprender e brincar com outras crianças.

O aluno necessita fazer parte da turma, interagir com os colegas e professores, compreender o conteúdo das aulas e se desenvolver de acordo com suas limitações e particularidades.

Para isso ser possível é importante que ocorra uma grande parceria entre os pais, a escola e os profissionais envolvidos na educação dessa criança.

Uma vez que o aluno com autismo tem necessidades especiais além dos acadêmicos, seu plano educacional é definido por um Programa de Educação Individualizado (PEI).

A equipe pedagógica também é responsável pela criação de materiais didáticos adaptados. Isso é necessário porque muitos autistas sentem dificuldade de aprender da forma tradicional, outros conseguem acompanhar a turma, mas muitos não.

Ter esse apoio pedagógico é muito importante no processo de aprendizagem. É importante destacar que a adaptação de materiais didáticos deve ser feita de acordo com o repertório comportamental da criança e deve atender a necessidade individual.

Os profissionais de educação devem desenvolver um conteúdo que atraia os alunos autistas e eles também devem ser estimulados a interagir e ter vontade de fazer determinada atividade.

A equipe pedagógica realiza reuniões frequentes com os professores para saber como está a evolução do aprendizado do aluno autista. Além disso, permite e viabiliza que sejam realizadas modificações no conteúdo das disciplinas, altera o formato das aulas, exploram novos ambientes e usam estratégias de ensino diferenciadas.

A escolha da escola e o papel dos pais

Os pais precisam ficar atentos na hora de escolher a escola do filho, principalmente quando ele tem um transtorno de desenvolvimento e dificuldades de interação. É preciso conhecer melhor a equipe pedagógica, o ambiente escolar e os professores.

Sabemos que escolher uma boa escola que atenda todos esses requisitos pode ser bastante difícil, mas é fundamental para que essa inclusão ocorra.

Para que o autista se desenvolva e aprenda é fundamental que ocorra uma relação baseada em cooperação e apoio mútuo entre pais e equipe pedagógica.

É importante participar das reuniões e buscar ajuda sempre que surgir alguma dúvida sobre o processo pedagógico e dificuldades do filho ou filha.

Para que tudo isso seja eficaz, os pais precisam encontrar uma instituição de ensino que ofereça recursos de apoio, profissionais capacitados e que respeite o ritmo da aprendizagem da criança.

Conhecer a equipe pedagógica e as ações realizadas é fundamental para contribuir com o ensino do autista.

Vale destacar que a escola não pode se recusar a matricular o aluno com TEA. Se isso ocorrer, ela está cometendo um crime.

O aluno autista tem o direito de aprender, desenvolver suas potencialidades e participar em igualdade de condições com outros alunos.

Os pais e cuidadores devem estabelecer espaços de diálogo que viabilizem a participação ativa de todos os envolvidos – professores comuns, professores do atendimento educacional especializado (AEE), coordenador pedagógico, diretor, auxiliares de limpeza, merendeiros, entre outros.

Essa é a melhor forma de atingir os objetivos de aprendizagem e garantir a inclusão do autista e a convivência com outros alunos.

Referências

https://www.autismspeaks.org/tool-kit-excerpt/team-approach-educating-students-autism

https://www.autismspeaks.org/teachers-and-administrators

https://www.education.vic.gov.au/school/teachers/learningneeds/Pages/eduprofessionals.aspx

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.