É possível sair do espectro do autismo?

Patrocinado

Hoje vamos falar sobre um assunto bastante polêmico: É possível sair do espectro do autismo?

Há muita discussão sobre esse assunto e alguns pesquisadores discordam sobre isso enquanto outros grupos de pesquisadores e médicos acreditam que sim é possível sair do espectro em alguns casos (Cerca de 3% a 5% das crianças evoluem tanto que conseguem “sair do espectro”).

Estar dentro do espectro do autismo geralmente se refere ao conjunto específico de dificuldades comportamentais e de desenvolvimento. Receber um diagnóstico de TEA significa que as habilidades de comunicação e sociais são afetadas de alguma forma.

Primeiramente, é preciso deixar claro que o Transtorno do Espectro do Autismo não tem cura, pois ele não é considerado uma doença. Mas há casos de pessoas com TEA que após terem o diagnóstico correto e uma intervenção adequada diminuem muito os sintomas de autismo e levam uma vida normal, claro que com algumas limitações que podem ser trabalhadas ao longo da vida.

É muito importante esclarecer que o TEA é uma condição crônica, ou seja, quem tem o Transtorno provavelmente se manterá nele por toda sua vida. O autismo é um transtorno de neurodesenvolvimento que vem desde a formação da criança durante a gestação.

Patrocinado

O que não quer dizer necessariamente que a pessoa com autismo vai conviver com os mesmos sintomas para sempre.  Há vários estudos científicos que mostram que as intervenções terapêuticas precoces reduzem ou até mesmo suprem as deficiências e limitações do espectro.

Por isso, quem tem o TEA ao ser estimulado corretamente e ter o apoio terapêutico adequado para sua condição pode deixar algumas características limitantes para trás. O que não quer dizer que ele tenha deixado de ser autista. Mas, os sintomas do autismo não vão mais prejudicar sua vida acadêmica, interação social e os relacionamentos, pois se tornam mais brandos.

Vou dar alguns exemplos para ficar mais claro. Com a intervenção precoce e acompanhamento profissional, as pessoas com autismo são estimuladas a realizar atividades do dia a dia. Logo, poderão diminuir as estereotipias, conviver em ambientes com ruídos e luzes que antes não conseguiam, podem passar a realizar sua higiene pessoal sem auxílio, por exemplo.

E quem ver de fora, pessoas que não sabem do histórico ou não convivem, podem não perceber que a pessoa é autista. Pois com o desenvolvimento do indivíduo, os sintomas vão ficando praticamente imperceptíveis.

Há alguns testes de diagnóstico padrão que são realizados nas pessoas com autismo para avaliar o nível dos sintomas e se ocorreu evolução. É importante que os autistas tenham esse acompanhamento constante com profissionais para que possa assim avaliar os resultados das intervenções terapêuticas.

Patrocinado

Esses testes envolvem a análise do comportamento das crianças para identificar as características do espectro e há uma pontuação que avalia se a pessoa está ou não dentro do espectro do autismo e qual o grau do autismo.

Esses testes medem comportamentos com determinados números e somam no final. A partir dessa soma eles dizem se a criança atinge uma determinada pontuação. Se sim, ela atinge, então ela esta dentro do espectro e se não atinge está fora.

Se a pessoa que antes atingiu esta pontuação mas ela apresentou uma boa trajetória de desenvolvimento devido as intervenções terapêuticas e agora está fora desta pontuação ela é considerada “fora do espectro”. Mas isso não significa que está pessoa não carrega outras dificuldades e que não precise de apoio em algum momento da vida. Isso não significa que pessoa deixou de ser autista.

A pessoa com autismo pode evoluir muito, conseguir interagir, se comunicar e seguir com a sua rotina diária sem as limitações do espectro. Mas, o que queremos esclarecer é a importância da informação correta.

Os pais devem tomar muito cuidado com as falsas esperanças, pois ninguém deixa de ser autista. Após o diagnóstico e tratamento, há a evolução, mas o histórico do Transtorno do Espectro do Autismo ainda permanece e podem persistir algumas dificuldades que precisarão ser trabalhadas.

Por isso procure sempre se informar com os especialistas e busque as informações confiáveis.

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.