Deficiência intelectual: uma comorbidade comum no autismo

Patrocinado

No artigo de hoje vamos falar sobre o autismo e a deficiência intelectual, que também é conhecida pela sigla DI. Mas vamos lá. Você sabe o que é deficiência intelectual? Essa condição antigamente era conhecida como retardo mental e trata-se de um funcionamento intelectual abaixo da média. Sendo assim, a pessoa com DI apresenta um quociente de inteligência, o QI, abaixo de 70.

Por isso, a pessoa com deficiência intelectual apresenta dificuldades para raciocinar, resolver problemas, planejar, refletir e também aprender. Além disso, é comum apresentar problemas para se comunicar e interagir socialmente. As pessoas com DI podem ser mais ingênuas e não compreender adequadamente algumas situações do dia a dia. Além disso, elas sentem dificuldade de compreender ideias abstratas, como metáforas, as vezes não tem noção de tempo e de valores monetários por exemplo.

A deficiência intelectual aparece desde os primeiros anos da criança.

Sendo assim, ela apresenta um nível de comportamento ou cognitivo muito abaixo para a idade cronológica. Por exemplo, uma criança de oito anos pode apresentar um perfil de comportamento de uma criança 4 ou 5 anos. Eles demoram mais para aprender e sentem dificuldade de se adaptar aos mais variados ambientes. Por isso, costumam ser crianças mais dependentes que precisam frequentemente de um adulto.

A deficiência intelectual pode variar de leve a profunda. As causas da DI ainda não foram totalmente esclarecidas, mas em geral ocorre devido a uma alteração no desempenho cerebral provocada por diferentes fatores: genéticos, distúrbios na gestação, problemas no parto ou após o nascimento.

Mas o que tem a ver com o autismo? É importante destacar que tanto a deficiência intelectual quanto o Transtorno do Espectro do Autismo são transtornos de desenvolvimento. E eles podem se manifestar juntos. Então a DI pode ser uma comorbidade associada ao autismo. Mas isso não quer dizer que todo autista tenha deficiência intelectual. É frequente que as pessoas tenham essa visão estereotipada de que o autismo equivale a deficiência intelectual. Mas essa crença é falsa.

Patrocinado

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC), cerca de 40% das pessoas com o TEA possuem a deficiência intelectual. Sabe-se também que a deficiência afeta de 1 a 3 % da população autista e chega a atingir uma em cada cinquenta crianças em idade escolar.

O desenvolvimento de habilidades de pessoas com deficiência intelectual geralmente é lento. Já uma pessoa com o TEA sem DI pode aprender e progredir rapidamente e facilmente, mas ainda apresenta dificuldades de comunicação e nas interações sociais e comportamento.

Uma criança que esteja no espectro do autismo e tenha uma deficiência intelectual concomitante provavelmente aprenderá de forma diferente e precisará de apoio individual. Mas isso não quer dizer que não conseguirá aprender ou se desenvolver.

A deficiência intelectual em autistas impõem desafios na capacidade de um indivíduo aprender, adquirir e aplicar intelectualmente habilidades, mas não significa incapacidade de aprender.

É importante que o autista que tem deficiência intelectual tenha um acompanhamento multidisciplinar para conseguir se desenvolver de forma plena. Por isso, a pessoa pode passar por intervenções bem variadas que estimulam suas habilidades e a socialização. É muito importante que a crianças que tenham as duas condições sejam acompanhadas por psicólogos, fonoaudiólogos, neuropediatras e pedagogos para ter mais qualidade de vida.

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.