Você já reparou que algumas crianças repetem tudo o que ouvem como um eco e/ou usam palavras aleatórias fora de contexto? Esse comportamento é chamado de ecolalia e é um distúrbio de desenvolvimento da fala e da linguagem.

A ecolalia é um dos sintomas mais comuns entre as características da linguagem no autismo. E nesses casos, podem ser descritas como estereotipias verbais, já que ocorre uma repetição em eco da fala.

Os autistas com ecolalia podem não serem capazes de se comunicar com eficácia porque lutam para expressar seus próprios pensamentos.

No entanto, a ecolalia acontece como uma ferramenta para que o autista se acalme. Sendo assim, é uma forma de autoestimulação e tem o mesmo objetivo das estereotipias, que é quando eles se balançam ou batem as mãos. 

A ecolalia também pode ser usada como uma saída sensorial. Dessa forma, a criança autista repete as palavras para se acalmar quando se sente ansiosa ou precisa lidar com os desafios sensoriais. 

Tipos de ecolalia

Há alguns tipos de ecolalia. Veja detalhes abaixo.

Ecolalia imediata: ocorre quando as crianças repetem as palavras logo depois de ouvi-las. Pode ocorrer, por exemplo, quando a mãe pergunta se a criança quer brincar e em vez de responder que sim, a criança repete: quer brincar!

Ecolalia tardia: acontece quando eles repetem palavras mais tarde e por causa desse atraso as frases são usadas fora de contexto. Pode acontecer, por exemplo, quando a criança assiste um desenho e depois de algumas horas repete algumas frases do que assistiu.

Ecolalia mitigada: ocorre em situações em que podem ser feitas modificações da emissão ecoada, seja imediata ou tardia, para se comunicar.

Por que isso acontece?

Alguns estudos apontam que a ecolalia imediata sugere a intenção de se comunicar da criança. Por isso, essa repetição trata-se de uma forma dela se comunicar com o outro ou manter o diálogo.

Geralmente, as crianças repetem trechos da linguagem sem entender o que elas significam. Depois, começam a modificar esses trechos, misturam e combinam palavras e frases que usaram. A partir do momento que começam a entender mais a linguagem, algumas crianças usam frases mais curtas ou apenas uma ou duas palavras para se expressar.

É comum também que a ecolalia seja usada ocasionalmente, especialmente quando a criança está cansada, confusa ou frustrada. 

A ecolalia pode ser considerada apenas uma característica comum das dificuldades de linguagem no TEA. Mas, vale a pena compreender a pessoa que fala e se isso não atrapalha o desenvolvimento da comunicação, além de prejudicar a sua interação com outras pessoas.

Diagnóstico e tratamento

A ecolalia costuma ser diagnosticada por meio da análise de um profissional especialista em fala e autismo. Ele observa seus comportamentos e se há repetição de fala. 

O tratamento é realizado como diversos profissionais como fonoaudiólogos, pediatras, neuropediatras, terapeutas ocupacionais e psicólogos. E o tipo de intervenção deve ocorrer seguindo a individualidade da criança, ou seja, respeitando as suas limitações e dificuldades.

São indicados terapias como a Análise do Comportamento Aplicada, conhecida pela sigla ABA, TEACHH e PECS (Picture Exchange Communication System).

E assim são realizados exercícios específicos para que ocorra o desenvolvimento da comunicação do autista. A criança autista consegue assim ter mais autonomia e independência para se comunicar.

Nesse processo, é fundamental a participação dos pais e responsáveis. Isso porque conseguem avaliar a evolução da criança e também praticar os exercícios em casa para continuar o tratamento.

Referências:

https://www.verywellhealth.com/why-does-my-child-with-autism-repeat-words-and-phrases-260144

https://link.springer.com/article/10.1007/s40489-015-0067-4

https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S151618462015000802072&script=sci_arttext&tlng=en