Como trabalhar a coordenação motora em sala de aula

Patrocinado

A maioria dos autistas apresenta algum tipo de  dificuldade motora que pode atrapalhar o seu desenvolvimento e a sua independência. Estima-se que aproximadamente 80% das crianças com autismo apresentem problemas deste tipo.

Vale destacar que a coordenação motora é a capacidade de coordenar os movimentos da interação entre cérebro e as articulações e músculos.

No entanto, sabe-se que as habilidades motoras ajudam as crianças a aprender comportamentos sociais e de comunicação básicos.

A coordenação pode envolver os movimentos finos, responsáveis por atividades como escrita e desenho e os grandes movimentos como andar e pular.  

É muito importante que as crianças autistas desde cedo desenvolvam essas habilidades para não interferir no seu comportamento social e de comunicação.

Patrocinado

Além das intervenções precoces, as atividades em sala de aula podem ajudar a trabalhar a coordenação motora do autista.

Atividades que estimulam a coordenação motora

Os pais e educadores têm papel importante no incentivo das capacidades dos pequenos. E algumas atividades que são realizadas dentro da sala de aula e também em casa melhoram a coordenação motora.

É importante promover brincadeiras simples, como desenhar com tinta guache, mexer com massinhas de modelar, encaixar objetos em plataformas que ajudam a desenvolver habilidades motoras finas. Elas devem ser aplicadas por etapas e sempre das mais fáceis às mais difíceis.

Já as habilidades grossas podem ser estimuladas por meio de ações como marchar, saltar em um trampolim, jogar bola, dançar, andar de triciclos e bicicletas.

Veja, abaixo, algumas atividades simples que ajudam a trabalhar a coordenação motora dos pequenos.

  1. Brincadeiras de obstáculos: essas atividades trabalham o desenvolvimento da coordenação motora ampla. Em uma área aberta, como pátio da escola, é possível colocar objetos que sirvam como obstáculos no caminho das crianças. Assim, elas vão desviar, pular ou empurrar. Podem ser usadas caixas de papelão ou brinquedos.
  2. Pinçar objetos: ajuda a desenvolver a coordenação fina. As crianças podem pegar diferentes objetos espalhados pelo chão ou em uma mesa e colocar dentro de um recipiente.
  3. Colagens e recortes: atividades simples como cortar e colar são bastante simples de fazer e desenvolvem a coordenação motora fina das crianças. Vale a pena investir em diferentes objetos, com cores e texturas distintas para estimular os sentidos e a criatividade. Também podem ser usados jornais e revistas para formar frases e palavras. O ato de segurar uma tesoura corretamente é um ótimo exercício para desenvolver a coordenação.
  4. Blocos de Construção: brinquedos como tijolinhos de construção estimulam a criatividade, a cooperação e a coordenação das crianças. Contribui também em aumentar as noções de equilíbrio e peso.
  5. Ligue os pontos: alguns desenhos e figuras podem ajudar nesse processo. Depois de preencher a forma, a criança ainda pode depois pintar com lápis, tinta ou canetinha.
  6. Jogo das varetas: o objetivo é pegar o maior número de varetas sem fazer as demais se mexerem. É preciso se concentrar e ter habilidade de coordenação motora fina.
  7. Miçangas no barbante: desenvolve a coordenação motora fina e a criatividade. Use pulseiras de diversos tamanhos, diversas cores e espessuras.
  8. Outras atividades: brincadeiras com fantoches e pinturas, colagens com bolinhas de papel, cirandas, cantigas de roda, danças folclóricas, blocos de montar, quebra-cabeça, entre outros.

Vale destacar que essas atividades são simples e podem fazer parte do cotidiano escolar. Mas é fundamental que a escola tenha um planejamento pedagógico adequado para promover o desenvolvimento pleno do aluno.

O planejamento pedagógico deve considerar as características individuais de cada aluno. E alterar as atividades, de acordo com as principais necessidades motoras das crianças.

As crianças com TEA também podem ser excessivamente sensíveis a algumas texturas, sons, gostos e cheiros. Por isso, é comum que os materiais possam ter que passar por uma adaptação ou buscar outras atividades.

É fundamental que as atividades sejam realizadas de forma lúdica, sem forçar a criança. Os pais devem participar e também estimulá-los em casa.

Referências:

https://autism.lovetoknow.com/Motor_Skills_in_Autistic_Children

http://www.skillsforaction.com/autism-spectrum-disorders

https://www.scholastic.com/teachers/articles/teaching-content/teaching-students-autism-spectrum-disorder/

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.