Como melhorar o aprendizado de uma criança com TDAH na escola

Patrocinado

Crianças com o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) enfrentam mais obstáculos na hora de aprender e apresentam dificuldades na escola. O TDAH é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e acompanha o indivíduo por toda a sua vida. É bastante comum em crianças e adolescentes — ocorre em 3 a 5% das crianças, em várias regiões diferentes do mundo.

Os sintomas do TDAH, como dificuldade de prestar atenção, em ficar sentado muito tempo e controlar os seus impulsos podem dificultar o bom desempenho das crianças na escola.

Por causa da desatenção, é comum que a criança com o TDAH não se concentre na aula e não acompanhe a explicação do professor. Por isso, eles perdem a matéria e não aprendem tanto quanto poderiam. Nas avaliações, é comum que cometam erros bobos por não ler o enunciado corretamente e por serem mais impulsivos.

TDAH não é deficiência intelectual

Vale lembrar que quem tem TDAH pode até conhecer o assunto e aprender, já que não há deficiência intelectual, mas não conseguem um bom rendimento nas provas por não conseguir focar, prestar atenção e estudar.

Além disso, quem tem TDAH apresenta dificuldade para memorizar, repetem os mesmos erros, são mais desorganizados, mais esquecidos e não conseguem se concentrar em matérias mais monótonas e que exigem atenção.

Patrocinado

Estratégias eficazes para a sala de aula

Os professores desempenham um papel fundamental e, muitas vezes, são os responsáveis por ajudar a identificar o TDAH. Mas, sabe-se que é difícil para um professor conseguir dar atenção individualizada e acompanhar de perto as dificuldades de cada aluno dentro de uma sala de aula.

As regras da sala de aula devem ser claras, concisas e revisadas regularmente com o aluno. A criança precisa entender as instruções. Como os alunos com TDAH são suscetíveis a distrações, uma boa estratégia é mantê-lo próximo do professor.

A escola, coordenadores, diretores e professores devem realizar reuniões pedagógicas e conseguir identificar quais são as dificuldades dos alunos com TDAH e o que está atrapalhando o desempenho escolar.

Outro ponto importante é saber distinguir o que a pessoa com TDAH é capaz de fazer e quais suas limitações. Além disso, é importante recompensar e elogiar os progressos. Alguns recursos podem ser eficazes no processo de aprendizagem:

  • Lembretes em agendas e/ou cadernos;
  • Listas de tarefas;
  • Anotações em provas e trabalhos;
  • Quadro de avisos e cronogramas.

É importante não sobrecarregar a criança com excesso de atividades extracurriculares. Lembrando que ambientes com estímulos externos devem ser evitados. A sala de aula deve contar com os elementos necessários para a aprendizagem ser efetiva. É importante que os professores evitem instruções muito longas e parágrafos muito extensos.

O diálogo também é fundamental. Os professores devem conversar com os pais e alunos e, sempre que possível mostrar que a impulsividade pode prejudicar o desempenho dele e dos outros alunos.

Eles precisam entender que interromper a aula ou o andamento das atividades pode ser improdutivo. Isso necessita ser realizado de forma individual, para não constranger a criança.

A escolha da escola para quem tem TDAH

É importante destacar que não existem escolas especializadas em TDAH no Brasil. Mas, há profissionais da área de educação, como professores, coordenadores, diretores, psicólogas escolares, pedagogas e psicopedagogas que são especialistas  no assunto e que sabem lidar de forma adequada com as crianças que possuem o Transtorno.

As técnicas utilizadas pelos professores com alunos que têm TDAH têm o objetivo de adaptar o ensino às dificuldades que eles apresentam como: prestar atenção muito tempo, copiar do quadro,  ficar levantando o tempo todo, conversar demais, por exemplo.

Os pais devem buscar uma escola que ofereça um atendimento adequado para os alunos com TDAH e que atenda às necessidades específicas da criança ou jovem. A escola deve participar do processo terapêutico e escolar, contribuindo em formular práticas que facilite e otimize a absorção de conteúdos e melhore o desempenho nas avaliações.

Referências:

https://tdah.org.br/

https://www.verywellmind.com/help-for-students-with-adhd-20538

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.