Como lidar com a agressividade dos autistas?

Patrocinado

Cuidar de um adulto com autismo pode ser um grande desafio. Principalmente se eles apresentarem alguns comportamentos problema como por exemplo, a agressividade.

É bastante comum que crianças, adolescentes e adultos com o TEA apresentem comportamentos agressivos em algum momento da vida.

Por isso, podem ameaçar familiares ou pessoas próximas e até mesmo ofender. Em casos mais extremos, podem machucar fisicamente, bater, morder ou atirar objetos em outra pessoa.

As pessoas com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) podem usar esse comportamento agressivo como uma maneira de chamar a atenção para obter algo que eles querem ou para deixar de fazer algo.

Há também casos de pessoas com o TEA que ficam ansiosos com ambientes barulhentos e superestimulantes e reagem de forma agressiva.

Patrocinado

Como evitar a crise?

Algumas atitudes podem ajudar a acalmar ou evitar a crise de raiva do autista. É importante se manter o mais calmo possível e tentar distrair a pessoa com o TEA do motivo que causou a raiva ou ansiedade. Pessoas com autismo gostam de seguir uma rotina.

Ter uma rotina faz com que se sintam seguros e confortáveis. No entanto, quando há uma mudança no que foi planejado, eles se sentem angustiados e reagir com problemas de comportamentos como a agressividade.

É importante lembrar que os adultos com autismo também sentem fome, sede, dores e cansaço. Mas, mesmo mais velhos ainda podem ter dificuldades de distinguir todos os sintomas e não entendem a razão pela qual estão desconfortáveis.

Isso também pode causar comportamentos agressivos, pois eles não são capazes de expressar suas necessidades, desejos ou desconfortos.

Entender o quanto seu filho pode se comunicar também é um passo fundamental para descobrir o que está causando o comportamento agressivo.

Quando eles não conseguem expressar sentimentos ou pedir o que precisam, podem usar um comportamento agressivo.

Além disso, também é importante manter a calma, não gritar e evitar responder de forma para repreendê-lo.

Se o comportamento agressivo do seu filho autista estiver interferindo na sua vida diária, é importante conversar com o médico para avaliar o que está acontecendo e se há outras condições que possam estar contribuindo para isso, como a depressão ou ansiedade.

O que pode ser feito?

Há algumas intervenções comportamentais que se mostraram eficazes na diminuição da agressividade em autistas.

Além disso, os pais e os cuidadores podem aprender estratégias para prevenir e diminuir esses comportamentos agressivos.

O objetivo é reforçar os comportamentos positivos e diminuir o comportamento negativo, o que pode ajudar seu filho a aprender a agir adequadamente em situações sociais.

Os pais que estão acostumados a dar às crianças autistas o que eles querem quando agem agressivamente aprendem a recompensar seus filhos apenas quando agem da forma correta.

Além disso, os cuidadores aprendem sobre os sinais de alerta que precedem o comportamento agressivo, para saber a hora de agir.

Em alguns casos, pode ser recomendado o uso de medicamentos para controlar a impulsividade e agressividades dos autistas.

Por isso, é importante ter acompanhamento médico para controlar os sintomas de irritabilidade, inquietude e agitações.

Algumas pesquisas mostram que as famílias que lidam com comportamentos agressivos lutam contra o isolamento social, além de terem preocupações com a segurança de pessoas e contam com suporte profissional limitado.

Muitos pais e cuidadores de autistas se sentem isolados e sem apoio para lidar com as crises de agressividade.

Compreender e ter conhecimento de como prevenir e acolher uma pessoa autista que está passando por uma crise de agressividade é fundamental para a qualidade de vida tanto de quem tem o TEA quanto de quem convive com ela.

Esta é a melhor forma de contornar a situação de forma segura para todos e proporcionar maior qualidade de vida.

Procure ajuda profissional para buscar formas de controlar a agressividade e entender as razões pelas quais elas são desencadeadas.

Referências:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4922773/

Home Sweet Home? Families Experiences With Aggression in Children With Autism Spectrum Disorders, disponível em:

http://foa.sagepub.com/content/early/2013/01/18/1088357612472932.abstract

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.