Como diagnosticar o autismo leve?

Patrocinado

O autismo é um transtorno de neurodesenvolvimento que traz dificuldades nas habilidades de interação e comunicação social e no comportamento. Existem três níveis diferentes de autismo, caracterizados como níveis 1, 2 e 3, que variam de leve a grave.

Portanto, no caso do autismo leve (nível 1), os sintomas podem ser mais brandos, o que pode dificultar o diagnóstico.

É importante ficar atento aos sinais e procurar ajuda especializada. É comum que os pais não consigam diferenciar o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) ou se o filho é uma pessoa introspectiva, ou seja, quando a criança é mais fechada e tímida.

Por isso, geralmente o diagnóstico do autismo nível 1 ocorre bem mais tarde, muitas vezes apenas na fase adulta.

Pessoas com autismo nível 1 (“leve”) geralmente conseguem se comunicar, estudar, trabalhar e lidar com atividades comuns do dia a dia, como atividade de autocuidado. Eles podem viver de forma independente e normalmente como qualquer outra pessoa, muitas vezes, sem precisar de ajuda. Todas essas questões dificultam o diagnóstico dos adultos.

Patrocinado

Sinais do autismo nível 1

Veja, a seguir, alguns sinais do autismo nível 1:

  • Interesse diminuído em interações ou atividades sociais;
  • Dificuldade em conversar com uma pessoa;
  • Dificuldade na comunicação não verbal (entender gestos e expressões);
  • Dificuldade em se adaptar a mudanças na rotina ou no comportamento;
  • Dificuldade em se planejar ou se organizar;
  • Pouco contato visual;
  • Linguagem verbal fluida, mas de forma mecânica;
  • Estereotipias e repetições;
  • Apego demasiado a um determinado objeto.

Que especialista procurar?

É importante destacar que o diagnóstico do autismo é clinico, ou seja, não há um exame específico que determine se a pessoa tem o Transtorno. Por isso, notar os sintomas é fundamental para ter um diagnóstico precoce.

É bastante comum que o pediatra realize o diagnóstico do autismo, pois ele é o responsável pelo acompanhamento das crianças desde os primeiros dias de vida.

E quanto antes for realizado o diagnóstico, mais rapidamente vão começar as intervenções precoces para que a criança seja estimulada e melhore as suas habilidades e se desenvolva.

A criança pode ser encaminhada para um neuropediatra (neurologia infantil) ou psiquiatra infantil. Esses profissionais conseguem realizar um diagnóstico por meio dos sintomas e escalas de avaliações. No consultório médico, os responsáveis pela criança precisam falar sobre os comportamentos e detalhar tudo o que perceberam de diferente na rotina, abrangendo a vida familiar, escolar e social.

Depois da confirmação do diagnóstico, o autista e sua família recebe a indicação de abordagens terapêuticas, que geralmente contam com uma equipe de multiprofissionais.

Pessoas com autismo de nível 1 ou leve geralmente mantêm a qualidade de vida com pouco apoio. Esse suporte geralmente ocorre na forma de terapia comportamental ou outros tipos de terapia que ajudam a melhorar as habilidades sociais e de comunicação.

A terapia comportamental ou ABA também ajuda a desenvolver comportamentos positivos que podem não ocorrer de forma natural para o autista, mas precisa ser aprendida.

No caso de adultos, é comum que descubram ao procurar ajuda psicológica ou em uma consulta com um psiquiatra. Não são raros os casos de pais que são diagnosticados com o TEA logo após os filhos serem identificados com autismo.

O impacto do diagnóstico tardio do autismo leve

Autistas com nível leve podem demorar a ter um diagnóstico. Essas pessoas passam anos se sentindo inadequados à sociedade e sofrem muito sem saber o que acontece com elas.

Geralmente, pessoas com autismo leve não apresentam deficiência intelectual ou déficit de linguagem. Os adultos autistas sem diagnóstico podem apresentar desafios e/ou restrições sensoriais ao toque, sons, luzes, texturas, sabores e, muitas vezes, são vistos pelos outros como tímidos, ingênuos, antissociais e ríspidas.

O diagnóstico correto é fundamental para que a pessoa consiga ter uma vida normal, com mais tranquilidade, lidando melhor com suas limitações e melhorando habilidades sociais.

Referências:

https://www.autismspeaks.org/autism-diagnosis-criteria-dsm5

https://www.autismawareness.com.au/could-it-be-autism/understanding-autism/

https://www.webmd.com/brain/autism/high-functioning-autism

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.