Como ajudar no desenvolvimento da fala em pessoas com autismo

Patrocinado

Alguns autistas podem falar bem e normalmente (autismo verbal) e outros não conseguem falar ou falam muito pouco (autismo não verbal). Para se ter uma ideia, estima-se que aproximadamente 40% das crianças com TEA não falam e apresentam autismo não verbal.

Vale destacar que a fala é o que permite a transmissão de sons, palavras e frases. Há autistas que não conseguem se expressar ou sequenciar os sons da fala (apraxia). Mas, conseguem compreender e até se comunicar. Outros autistas são completamente não verbais, mas encontram uma forma de se expressar com ajuda da tecnologia, por exemplo.

A importância da fala e marcos do desenvolvimento

O atraso da fala pode acarretar consequências para o processo de aprendizado, assim como para as interações sociais.  Os pais devem ficar atentos aos marcos para o desenvolvimento da fala. Por isso, se o bebê não está balbuciando, é preciso investigar.

Vale reforçar que o progresso da fala acontece por etapas. As crianças começam a balbuciar com poucos meses e no primeiro ano de vida, já falam algumas palavras simples como mamá e papá. E perto dos 18 meses, o vocabulário infantil aumenta e já é possível entender algumas palavras. Aos quatro ou cinco anos, espera-se que a fala já tenha se desenvolvido por completo.

Alguns sinais de alerta:

Patrocinado
  • Não balbuciam ou não emitem som a partir do terceiro mês;
  • Aos oito meses, não fala nenhuma vogal ou consoante;
  • Com 16 meses não fala nenhuma palavra;
  • Aos dois anos não combina duas palavras.

O que pode ser feito para desenvolver a fala

É importante que os pais e cuidadores procurem uma intervenção terapêutica para melhorar a comunicação e a fala da criança. Quanto mais cedo a criança receber suporte especializado, melhor será para o seu desenvolvimento e ampliação de habilidades.

As intervenções e terapias individualizadas podem ajudar a diminuir o isolamento social e contribuir com qualquer dificuldade de comunicação dos autistas.

Vale destacar que as famílias, os professores e as pessoas próximas do autista não verbal também podem ajudar no desenvolvimento da linguagem com brincadeiras e interagindo com a criança, sempre estimulando a sua fala.

Algumas ações que são efetivas incluem:

Jogos e interações

As crianças aprendem brincando, e isso inclui o aprendizado da linguagem. Tente diversos jogos para descobrir quais agradam mais seu filho ou filha. O ideal é buscar atividades lúdicas que promovam a interação social. 

Patrocinado

Imitação

Imitar os sons e brincadeiras que seu filho (a) faz pode encorajar sua vocalização e interação. Estimule o seu filho a imitar o que você fala também.

Concentre-se na comunicação não verbal

Gestos e contato visual podem construir uma base para a linguagem e a fala.  Use seu corpo e sua voz para se comunicar.

Dar espaço para seu filho falar

É importante dar oportunidade para a criança responder e se comunicar no seu próprio tempo.Ao fazer uma pergunta ou perceber que seu filho deseja algo, pare e preste atenção a qualquer som ou movimento corporal que ele fizer.

Use a tecnologia

Alguns dispositivos e aplicativos com imagens podem ajudar o autista a se comunicar, indicar o que quer ou está pensando. Com o tempo, ele ou ela pode se sentir estimulado a falar.

Terapia de fala

A terapia da fala e da linguagem ajuda os autistas a desenvolverem a linguagem, a fala e a comunicação verbal, não verbal. O objetivo é ajudar a pessoa a se comunicar de uma maneira mais funcional. Geralmente, começa com uma avaliação realizada por um fonoaudiólogo que determina os desafios de comunicação da pessoa. Em seguida, determina as metas para a terapia.

Entre as habilidades que a terapia de fala desenvolve podemos citar:

  • Fortalecimento dos músculos da boca, mandíbula e pescoço;
  • Realizar sons de fala mais claros;
  • Combinar emoções com a expressão facial adequada;
  • Compreender a linguagem corporal;
  • Responder perguntas;
  • Modular o tom de voz.

Você conhece algum autista que teve dificuldade de fala? Conta para a gente a sua história!

Referências:

https://www.webmd.com/brain/autism/benefits-speech-therapy-autism

https://iancommunity.org/cs/articles/speech_and_language_problems

https://www.autismspeaks.org/speech-therapy-autism

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.