Animais de estimação ajudam no desenvolvimento dos autistas

Patrocinado

Estudos mostram que conviver com animais de estimação, tais como cães, gatos, coelhos ou outros animais, ajuda no desenvolvimento de qualquer criança.

Esses amigos de 4 patas auxiliam na melhora do comportamento de indivíduos com autismo e podem aumentar a capacidade de relacionamento com outras pessoas.

O relacionamento entre a criança com autismo e um animal de estimação é benéfico em vários aspectos da vida social, afetiva e intelectual da criança.

Diversas vantagens vêm sendo descritas como decorrentes desse relacionamento, como por exemplo:

  • Aumento de condutas afetivas;
  • Diminuição de condutas negativas como auto-agressão;
  • Estimulação de habilidades sociais;
  • Ajuda na socialização;
  • Melhora no contato visual;
  • Estimulação do desenvolvimento psicomotor e da linguagem;
  • Melhora auto-estima;
  • Ensina a criança a respeitar outras formas de vida.

Um estudo demonstrou que o convívio com cães levou a um aumento significativo no comportamento pró-social de crianças e adolescentes com autismo.

Patrocinado

Os indivíduos apresentaram menos comportamentos autistas e mais sociabilidade. Segundo os pesquisadores, os cães teriam estimulado os indivíduos a se tornarem mais capacitados para participar de interações sociais.

Outros estudos também concluíram que crianças com autismo que convivem com animais de estimação têm maiores habilidades sociais do que crianças que não convivem com animais.

É muito importante entender e considerar as sensibilidades de cada criança e a rotina familiar para escolher o melhor bichinho de estimação.

É importante ressaltar também que precisamos educar as crianças e fazer com que elas entendam que os bichinhos de estimação são seres vivos que precisam de cuidado, respeito e carinho.

Através dessa conscientização, certamente essas crianças se tornarão pessoas ainda melhores e ajudarão a construir um mundo com mais respeito e amor.

Patrocinado


Referências:

Redefer, L. A.; Goodman, J.F. (1989). Pet-facilitated therapy with autistic children. Journal of Autism and Developmental Disorders 19 (3): 461-467.

Carlisle, G. K. The Social Skills and Attachment to Dogs of Children with Autism Spectrum Disorder. J Autism Dev Disord (2015) 45:1137–1145.

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Picture of Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista, especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Pesquisadora na área do TEA há mais de 10 anos. Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP) com Doutorado “sanduíche” no exterior pelo Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, San Diego (UCSD). Realizou 4 Pós-doutorados pela USP. É cofundadora da NeuroConecta e também, coautora do livro: Autismo ao longo da vida.