A falsa promessa da cura do autismo com o MMS

Patrocinado

Você já ouviu falar em MMS? A sigla vem do inglês Mineral Miracle Solution (Solução Mineral Milagrosa “cura”) e é uma substância vendida como medicamento que possui uma composição parecida com a água sanitária.

Conhecendo a MMS

Na indústria, esse produto é usado para branquear a polpa da madeira destinada a fazer o papel, e há um protocolo específico para lidar com o MMS devido à sua alta toxicidade.

Infelizmente, essa substância se tornou popular entre os familiares de pessoas com autismo. Alguns pais e cuidadores acreditaram que as crianças poderiam ser curadas ao ingerir o MMS.

A substância é um produto não licenciado que é basicamente uma mistura de clorito de sódio e pó cítrico conhecido para fazer o alvejante de cloro.

Aqueles que vendem o produto alegam que, embora sejam similares, o MMS (dióxido de cloro) é diferente dos produtos de limpeza de grau industrial.

Patrocinado

Há benefícios?

É importante esclarecer que não há comprovação científica dos benefícios do MMS para o autismo ou qualquer outra condição de saúde.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) até mesmo proibiu a venda do produto.

O órgão alegou ainda que, desde o ano passado, fiscaliza e retira anúncios de venda do produto e derrubam propagandas que incentivem o uso do MMS.

Cabe destacar que para um medicamento ser aprovado levam-se anos de pesquisas e testes clínicos para comprovar sua eficácia e possíveis efeitos colaterais.

Além disso, a agência norte-americana dos EUA Food and Drug Administration (FDA), o Ministério da Saúde do Canadá e a Food Standards Agency do Reino Unido lançaram alertas sobre o risco do MMS para a saúde.

Porém, ainda é bastante fácil de encontrar pela internet.

O falso medicamento é dado para as crianças via oral ou retal e podem fazer muito mal para o organismo.

Os especialistas alertam que a criança que ingerir essa solução pode sofrer uma descamação da mucosa do intestino, diarreia, enjoos, vômitos, desidratação, insuficiência renal, anemia e outros problemas bastante graves como sobrecarregar os rins e no futuro causar falência renal.

Alguns especialistas relatam que o uso contínuo deixa a pessoa debilitada e provoca picos de anemia.

Como surgiu o MMS?

O criador do MMS foi o norte-americano Jim Humble. Ele afirma, sobretudo, que o MMS, além do autismo, pode curar outros problemas de saúde como:

  • Câncer;
  • Diabetes;
  • Esclerose múltipla;
  • Parkinson;
  • Alzheimer;
  • AIDS;
  • entre outros.

E esse boato de cura?

O MMS e a sua fama de “curar” o autismo surgiu após o lançamento do livro da norte-americana Kerri Rivera:

“Curando os sintomas conhecidos como autismo”.

Na obra, ela destaca, em resumo, um protocolo para se alcançar a cura do autismo, que inclui, pois, dieta, desintoxicação e o uso do MMS por via oral ou retal.

Em alguns casos, por certo, as crianças sofrem descamação das paredes do intestino e, assim, um muco é expelido.

A autora afirma que seriam os “vermes causadores dos sintomas de autismo”.

A partir daí, como resultado, surgiram médicos, formadores de opinião, ao mesmo tempo, surgiram depoimentos de pessoas divulgando os benefícios do MMS.

Depoimentos em vídeos nas redes sociais e em conversas de aplicativos de celular.

Mas, todo cuidado é pouco! Ou seja, sempre desconfie de produtos que são vendidos como miraculosos.

Além disso, é necessário ressaltar que o autismo não tem cura, pois não é uma doença. A falta de informação ou  fake news (notícias falsas) podem colocar muitas vidas em risco.

É importante, sem dúvida, que o uso e a venda do MMS sejam denunciados ao Ministério Público.

Se algum médico indicar esse suposto medicamento, ele, semelhantemente, também deve ser denunciado.

Essa é, de fato, a melhor forma de impedir que essa situação perigosa continue acontecendo.

Em resumo, os pais devem receber todo o apoio possível para, dessa forma, lidar com essas falsas informações.

Ao receber um diagnóstico de autismo, eles podem ser influenciados a usar esse produto como solução de um problema real.

Muitos encontram informações falsas e buscam apoio em outros pais que, do mesmo modo, passam pela mesma situação.

Em conclusão, por falta de conhecimento, desespero ou medo, os pais podem cair nessas ciladas, se iludirem e complicar a saúde dos filhos autistas.

Referências:

https://www.healthline.com/health-news/parents-warned-about-bleach-therapy-for-autism#4

https://www.bbc.com/news/technology-48355681

https://oglobo.globo.com/sociedade/anvisa-proibe-remedio-que-vendia-falsa-cura-para-aids-autismo-23645125

WhatsApp
Facebook
Pinterest
Telegram
Twitter
Patrocinado

Você irá ler neste artigo

Quem leu gostou do artigo!!!
Quem leu gostou do artigo!!!
Dra. Fabiele Russo

Dra. Fabiele Russo

Neurocientista especialista em Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Mestre e Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP). Cofundadora da NeuroConecta.