Compartilhar: como desenvolver a habilidade de dividir em crianças com TEA

9 de fev de 2018

Compartilhar pode ser uma atitude difícil, especialmente na infância. A maioria das crianças, estejam elas no espectro do autismo ou sejam elas neurotípicas – precisam de prática e suporte para desenvolver essa habilidade.

Nos primeiros anos de vida as crianças não costumam pensar sobre o sentimento das outras. Em geral, raramente são capazes de conseguir dividir seus pertences espontaneamente, com menos de seis anos de idade.

Trata-se de um comportamento normal. Faz parte do desenvolvimento de consciência da criança o que chamamos de “posse”. Quando pequenas elas se preocupam com seus brinquedos, suas coisas, seu “mundo”. Na medida em que crescem e começam a brincar e a conviverem entre si, passam a partilhar seus pertences naturalmente.

No caso das crianças com autismo pode ser que haja maior resistência em compartilhar. A interação social é um dos limitantes característicos do transtorno. Assim como uma criança que não esteja no espectro, o melhor a fazer é não força-la. Em vez disso, crie atitudes e um ambiente que incentive seu filho a querer ceder ao outro algum de seus brinquedos espontaneamente. Compartilhar implica empatia. Para você, eles podem ser apenas brinquedos. Para a criança, pode ter um valor muito maior como apego, estímulo e segurança por exemplo.

Pense no seguinte: imagine você sendo obrigado a emprestar uma roupa da qual gosta muito. Você certamente não se sentiria confortável em fazer isso. Da mesma forma é para criança. Portanto, deve se respeitar a decisão dela em não dividir. Até porque muitas vezes o objeto em questão que se deseja partilhar pode ser justamente aquele que conforta seu filho e tirá-lo de seu controle pode desencadear um desequilíbrio emocional, gerando ansiedade.

Como desenvolver essa habilidade em seu filho? A chave é ir com calma. Observe como ele costuma interagir quando está junto à outras crianças. Conheça seu comportamento. Com base nessa análise, você poderá ensiná-lo sobre os valores que há em compartilhar. Crie oportunidades para que você possa exercitar na prática com ele essa atitude quando estiverem juntos. Procure ser o exemplo que ele precisa, dividindo com ele seus objetos e reforçando essa atitude verbalmente ou através de imagens. O importante é seguir uma dinâmica mais próxima daquela que se conecta com mais facilidade à criança no espectro, para que seja possível de ela assimilar em seu repertório o que você está ensinando e se sentir motivada a partilhar e, assim, contribuir com o aperfeiçoamento de suas habilidades de interação social, sempre respeitando suas limitações.

 

Referências:

McCann Sawyer, Lori; Luiselli, James K.; Ricciardi, Joseph N.; Gower, Jennifer L.. Teaching a child with autism to share among peers in an integrated preschool classroom: acquisition, maintenance, and social validation. Disponível em http://www.freepatentsonline.com/article/Education-Treatment-Children/131753665.html Acessado em 8 de fevereiro de 2018.

Naber FBA, Bakermans-Kranenburg MJ, van IJzendoorn MH, et al. Play Behavior and Attachment in Toddlers with Autism. Journal of Autism and Developmental Disorders. 2008;38(5):857-866. doi:10.1007/s10803-007-0454-5. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2335292/ Acessado em 7 de fevereiro de 2018.

Raising Children Network. Sharing and learning to share. Disponível em http://raisingchildren.net.au/articles/sharing.html Acessado em 7 de fevereiro de 2018.

 



Cadastre-se e receba nossas novidades!

Artigos, Matérias e Novidades sobre o mundo do Autismo



NeuroConecta - 2017