Autismo na vida adulta: o que é preciso saber

11 de out de 2017

“Como será a vida do meu filho quando ele atingir a idade adulta?” A preocupação com o futuro é uma das questões recorrentes que povoam os pensamentos de pais que têm filhos no espectro autista.

Afinal, como será o futuro de uma criança com autismo? Isso pode depender de variáveis como grau de acometimento do distúrbio e das habilidades desenvolvidas neste indivíduo. Em linhas gerais este horizonte é positivo e pode ser promissor.

Quando um indivíduo tem o espectro autista identificado ainda nos primeiros anos de vida uma série de ações são introduzidas no processo de desenvolvimento infantil para que sejam estimuladas e aperfeiçoadas habilidades que possibilitem extrair ao máximo seu potencial intelectual, psicológico e cognitivo. Há estudos que apresentam evidências de que os principais sintomas do autismo diminuem em algum grau na adolescência e na idade adulta, com melhorias nas habilidades de comunicação.

Com isso, a expectativa é de que tanto na adolescência quanto na fase adulta o autista possa levar uma vida com dignidade e, em sua maioria, com autonomia e independência para realizar suas atividades com segurança.

A perspectiva é que o adulto com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) tenha competências que o possibilitem cuidar de si – desde a higiene ao preparo de suas refeições; bem como transitar pela cidade de ônibus ou metrô, além de ingressar numa faculdade e estudar, conseguir um emprego, morar sozinho, constituir família, conquistar autonomia financeira e pessoal e tudo o mais que deseje e esteja ao seu alcance.

Embora o cenário possa ser positivo, há uma série de desafios a serem vencidos. A começar pelo acompanhamento da saúde do autista que passará por uma transição da assistência de um pediatra para um médico de adultos. Este profissional deverá manter os cuidados e tratar de possíveis deficiências de comunicação e sensoriais, para que o quadro do agora adulto com TEA possa se manter em evolução.

Os adultos com autismo são mais suscetíveis a quadros de ansiedade e têm maior risco de desenvolver diabetes, distúrbios gastrointestinais, epilepsia, distúrbios do sono, problemas de colesterol, pressão alta e obesidade.

Outro aspecto que pode representar uma barreira refere-se ao enfrentamento de uma questão que não cabe ao autista, mas impacta diretamente em sua vida: o preconceito. Ainda há na sociedade dificuldade de integrar o indivíduo com TEA em situações como no trabalho e numa sala de aula. Um ambiente hostil e, até mesmo, sujeito à bullying, pode ser um obstáculo. Comportamentos de pessoas que possam agredir de alguma forma o autista devem ser desencorajados e combatidos para que ele possa executar suas tarefas da melhor maneira possível. Pessoas com autismo possuem determinadas habilidades específicas nas quais são realmente talentosos. Esta característica do TEA podem tornar o autista um excelentes candidato a uma vaga de emprego por exemplo.

 

TEA na vida adulta: impactos de um diagnóstico tardio

Há casos ainda de pessoas que obtém o diagnóstico de TEA apenas quando adultos. Estes podem passar anos com a sensação de que algo não se encaixa em suas vidas até se descobrirem com o espectro. O perfil deste grupo costuma ser daqueles que têm um grau leve do espectro, não apresentam deficiência intelectual ou déficit de linguagem. Costumam ter as características do espectro (desafios e/ou restrições sensoriais ao toque, sons, luzes, texturas, sabores) vistas como timidez, ingenuidade, como antissociais, ríspidas.

O diagnóstico tardio pode ser um alívio, mas ao mesmo tempo pode causar impacto e transformar o olhar que a pessoa tem sobre si. Após tomarem conhecimento de que tem o distúrbio, poderão receber o suporte pós-diagnóstico para desenvolverem aspectos comportamentais e sensoriais que sejam necessários, se o forem. Relatos de pessoas com TEA que descobriram o espectro já na fase adulta remetem a este conflito interior, em que é preciso redescobrir a si e ao mundo ao seu redor. Terapia ocupacional e atividades de integração social podem auxiliar neste período de reconhecimento e adequações.

 

Leia também em NeuroConecta:

Quais direitos da pessoa com autismo?

Autismo e mercado de trabalho: identificando competências

Conheça as opções terapêuticas para TEA

Como preparar a criança autista para viver em sociedade

 

Referências:

Autism diagnosis for adults. The Autistic Society. Disponível em <http://www.autism.org.uk/about/diagnosis/adults.aspx> Acessado em 9 de outubro de 2017.

Dunne, S. Autism as an adult: ‘On the many days I spend alone I forget how to talk’. The Guardian. 16 september 2015. Disponível em <https://www.theguardian.com/social-care-network/social-life-blog/2015/sep/16/autism-as-an-adult-on-the-many-days-i-spend-alone-i-forget-how-to-talk> Acessado em 10 de outubro de 2017.

Henninger NA, Taylor JL. Outcomes in Adults with Autism Spectrum Disorders: A Historical Perspective. Autism : the international journal of research and practice. 2013;17(1):103-116. doi:10.1177/1362361312441266. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3769945/> Acessado em 10 de outubro de 2017.

Sarris, M. Leaving the pediatrician: charting the medical transition of youth with autism. Interactive Autism Network (IAN) at Kennedy Krieger Institute. June 19, 2014

Disponível em <https://iancommunity.org/ssc/medical-transition-youth-autism> Acessado em 10 de outubro de 2017.

Seltzer MM, Shattuck P, Abbeduto L, et al. Trajectory of development in adolescents and adults with autism. Ment Retard Dev Disabil Res Rev. 2004;10:234–47. in Volkmar FR, Wolf JM. When children with autism become adults. World Psychiatry. 2013;12(1):79-80. doi:10.1002/wps.20020. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3619174/ > Acessado em 10 de outubro de 2017.

Volkmar FR, Wolf JM. When children with autism become adults. World Psychiatry. 2013;12(1):79-80. doi:10.1002/wps.20020. Disponível em <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3619174/> Acessado em 10 de outubro de 2017.

Workshop ONLINE e GRATUITO
TEA - Aprender para Entender

De 16 a 23 de Novembro de 2017



Cadastre-se e receba nossas novidades!

Artigos, Matérias e Novidades sobre o mundo do Autismo



NeuroConecta - 2017